Ourém | Imigrantes no concelho estão sem trabalho e sem saber onde pedir ajuda

"Há gente a passar mal", referiu a vereadora do PS na última reunião camarária – sobretudo entre a comunidade brasileira que trabalhava em Fátima.

Os imigrantes que trabalham no concelho, sobretudo em Fátima, estão sem trabalho devido à pandemia e alguns não têm sequer documentação para pedir os subsídios de desemprego. O alerta foi deixado pelos vereadores do PS na reunião camarária de 9 de novembro, segunda-feira, apontando a ausência de um gabinete de apoio aos imigrantes. O presidente Luís Albuquerque (PSD-CDS) recordou que tal gabinete existe e fornece ajuda a quem o procurar. A oposição constatou, porém, que essa informação é inexistente e totalmente desconhecida de quem precisa dela. “Há gente a passar mal”, afirmou-se.

O tema surgiu na sequência de uma declaração lida pela vereadora Cília Seixo (PS) sobre o estado da pandemia no concelho e foi retomado já no final da reunião. A comunidade brasileira, que trabalha sobretudo em Fátima, está desorientada com as consequências da crise sanitária na cidade religiosa e não sabe onde pedir ajuda, situação que levou a vereadora a considerar que não existia um gabinete de apoio ao imigrante.

Porém, esse gabinete existe, salientou Luís Albuquerque, recordando um protocolo que foi assinado já este ano, em julho, com a presença da Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas. Localizado no Espaço Empresa, junto ao edifício camarário, em Ourém, dá apoio tanto a emigrantes como a imigrantes, adiantou. Cília Seixo frisou no entanto que essa informação não está divulgada nos meios oficiais e é completamente desconhecida dos imigrantes.

PUB

Também a vereadora Estela Ribeiro (PS), que trabalha na área da assistência social, constatou esta situação, referindo que há pessoas que nem os documentos conseguem para pedir o subsídio de desemprego.

Reunião de câmara de 9 de novembro de 2020 Foto: mediotejo.net

“Há gente a passar mal”, afirmou Cília Seixo, que soube das dificuldades dos imigrantes junto de alunos filhos desses trabalhadores. “Há muita gente que veio para cá trabalhar e está sem nada”, referiu.

Na declaração sobre a situação pandémica, o PS calculou que o desemprego no concelho venha a ultrapassar os 9,5% em dezembro, quando no início do ano se encontrava nos 2 por cento.

Contactado o Gabinete de Apoio ao Emigrante, a funcionária esclareceu ao mediotejo.net que o apoio ao imigrante funciona efetivamente no mesmo local e com a mesma responsável, mas é na prática um “gabinete” diferente, ligado ao Alto Comissariado para as Migrações. Chama-se Gabinete Local de Apoio à Integração de Migrantes, foi o gabinete responsável pelo apoio aos refugiados, e tem recebido efetivamente muitos estrangeiros em busca de alguma orientação nos últimos dias.

Estes dois gabinetes encontram-se no Espaço Empresa, um espaço junto à Câmara de Ourém, com entrada pelo exterior. Contudo, a extensão disponível no site do município de Ourém não funciona, pelo que quem pretender contactar o serviço deve ligar para a Câmara (Tel. 249 540 900) e pedir que façam a ligação.

PUB
Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).