Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ourém | Hospital de Leiria em ruptura, internamentos mantêm-se no Médio Tejo

Os utentes de Ourém que acorrem à urgência do Hospital de Leiria continuam a ser encaminhados para os hospitais do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) em caso de internamento, alertou a médica do Centro de Saúde de Fátima, Helena Barroso, na Convenção Autárquica do PS de Ourém, sábado, 19 de novembro. Presente na sessão, o Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, deixou a promessa de que “tudo fará” para resolver os problemas de falta de equipamentos e recursos humanos no Hospital de Leiria.

- Publicidade -

- Publicidade -

A Convenção Autárquica do PS reuniu no sábado um conjunto de especialistas em várias áreas do concelho de Ourém, como a Educação, Infraestruturas, Turismo, Património, Equipamentos sociais ou Saúde, entre outras. Foram abordados problemas estruturais e outros que têm tido difícil resolução, sem esquecer as potencialidades de Fátima na promoção da economia local.

Dada a presença do Ministro da Saúde, sobressaiu a intervenção da médica Helena Barroso, que começou por lembrar a vitória para os utentes de Ourém de finalmente conseguirem aceder ao Hospital de Leiria, a 30 quilómetros, em vez de terem que se encaminhar para os Hospitais do CHMT, nomeadamente o de Abrantes, que se situa a 60 quilómetros do concelho. No entanto, salientou, o Hospital de Leiria “está em ruptura”, uma vez que se encaminham para aquela unidade doentes de muitos concelhos (o Hospital de Leiria também tem noticiado problemas com o sistema informático). “Quando o utente precisa de ser internado vai para o CHMT”, constatou.

- Publicidade -

A médica do Centro de Saúde de Fátima evidenciou também outros problemas: os dentistas que deveriam começar a prestar serviço na sua unidade, naquele que era um projeto-piloto, ficaram poucos dias; os médicos contratados por empresas para suprir a falta de médicos de família faltam recorrentemente e, muitos deles, têm apenas a formação base em medicina e não a especialidade em medicina geral e familiar; são necessários cada vez mais psicólogos e nutricionistas nas extensões de saúde; desmotivação dos profissionais de saúde, que tem visto o seu trabalho tornar-se cada vez mais precário. A responsável deixou alguns alertas, comentando que umas das soluções para a Saúde em Ourém poderá passar por agregações locais de unidades de saúde.

Antes da intervenção de Adalberto Campos Fernandes, o presidente da Câmara de Ourém, Paulo Fonseca, agradeceu ao Ministro o trabalho que permitiu que o atendimento dos utentes de Ourém pudesse ser encaminhado para Leiria, uma luta antiga deste município.

Já o Ministro da Saúde começou a sua intervenção lembrando as melhorias no Sistema Nacional de Saúde e como este foi o ano em que mais médicos de família foram colocados, além da abertura de cerca de 40 centros de saúde. Sobre o Hospital de Leiria, constatou que a estrutura “precisa de mais equipamentos e mais recursos humanos”, frisando que o Governo tudo fará para conseguir resolver o problema. “Estamos a fazer uma governação sensata”, referiu.

Adalberto Campos Fernandes lançou por fim um apelo para que “tenham confiança”, pedindo também aos presentes para que “sejam razoáveis” e constatem que não é possível haver “um Hospital em cada bairro, um centro de saúde em cada freguesia”.

Candidatos do PS às autárquicas só serão conhecidos em 2017

À margem desta Convenção, o mediotejo.net falou com o presidente da Federação Distrital do PS de Santarém, António Gameiro, questionando para quando serão conhecidos os candidatos do distrito aos vários municípios. O também deputado municipal de Ourém e da Assembleia da República adiantou que até ao fim do ano serão definidos quais os líderes das concelhias e respetivos candidatos socialistas aos municípios do distrito de Santarém, mas a sua apresentação só irá decorrer durante o primeiro semestre de 2017.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome