Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ourém: Há empresas a trabalhar sem água canalizada

(notícia atualizada às 22h41)

- Publicidade -

A denúncia partiu da coligação PSD-CDS, no fim de uma visita recente à freguesia de Matas-Cercal. Há seis empresas em Matas que operam até hoje sem acesso à rede de água canalizada. Na sexta-feira, 30 de setembro, o presidente da Câmara, Paulo Fonseca, respondeu à denúncia: as empresas foram licenciadas, tal como estão, no tempo da gestão social-democrata.

A notícia foi avançada pelo jornal Notícias de Ourém. Segundo o periódico, o líder da concelhia do PSD e da coligação Ourém Sempre, Luís Albuquerque, referiu que  “não se admite, que em pleno século XXI existam seis empresas a laborar, diariamente, com postos de trabalho, que querem crescer, não tenham água canalizada, também existindo, nessa mesma rua, duas ou três habitações, que também não têm esse bem essencial”. As empresas “estão fartas de fazer requerimentos à Câmara mas continuam à espera de resposta”. Existirá ainda outra empresa que ali se instalou recentemente que também não terá água canalizada, refere o jornal citando o autarca.

- Publicidade -

A respeito desta notícia, na qual a coligação faz outras denúncias, Paulo Fonseca fez uma declaração, no âmbito de uma reunião informal com jornalistas depois de uma reunião de executivo privada. Segundo o presidente, as seis empresas em causa foram licenciadas tal como hoje se encontram entre 1994 e 2001, altura em que quem governava o município era o PSD. “O contrato com a Compagnie Générale des Eaux é dessa altura (1997), podia-se ter resolvido” a situação, constatou, referindo-se à concessionária de água que depois seria conhecida por Veolia. “O PSD denuncia-se a si próprio”, afirmou.

Segundo Paulo Fonseca é possível haver licenciamento sem água canalizada, existindo várias situações dessa natureza. Mas também “54% dos cidadãos do concelho não têm saneamento básico”, referiu. “A culpa foi de quem geriu este tempo todo”.

Uma das empresas referidas já fez um requerimento para um extensão de 500 metros, admitiu Paulo Fonseca, mas a situação no local é mais complexa, não existindo muita condições para o bom funcionamento do sistema. “Também é preciso garantir a qualidade da água”, explicou. Das restantes empresas não tem conhecimento de requerimentos a pedir ligação a água canalizada.

Em declarações ao mediotejo.net, Luís Albuquerque lamentou a atitude do presidente. “O que fizemos foi identificar um problema”, referiu, esperando que o “executivo procurasse resolver”. O autarca lembrou que Paulo Fonseca já está na câmara há sete anos e que há pelo menos duas empresas em Matas sem água canalizada que foram licenciadas nos últimos anos e não na gestão PSD.

“Era melhor fazer este prolongamento de rede do que fazer tanta festa e festival”, ponderou. Salientado que não é contra os projetos de animação no concelho, referiu que é preciso “moderação”.

“Lamento esta reação”, terminou.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome