Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ourém | GDC Seiça arrisca uma aposta no padel com investimento próprio em campos e formação

Têm sido umas semanas animadas por terras de Seiça, no concelho de Ourém. O Grupo Desportivo e Cultural (G.D.C.) de Seiça inaugurou a 25 de julho dois campos de padel – um desporto de raquetes e jogado em duplas, similar ao ténis – e a adesão tem sido massiva.

- Publicidade -

A resposta do público abre boas expectativas a esta aposta que é, em si, um risco, uma vez que o investimento partiu da própria associação e não há cultura de padel no concelho de Ourém. Mas a ideia, aparentemente, era mesmo essa: criar toda uma nova escola desportiva de formação e competição a partir desta dinâmica da coletividade de Seiça. 

Os colegas apelidam-no de “visionário”, um daqueles líderes natos que sabe orientar e delegar funções, mas para Fernando Silva, presidente do G.D.C. de Seiça há 21 anos e integrante da coletividade desde a sua fundação em 1974, é tudo uma questão de “ter força de vontade” e saber ir gerindo os problemas.

- Publicidade -

A ideia de investir em campos de padel foi sua e tem pouco mais de um ano, quando viu o desporto a ser praticado no Algarve. “Investigámos e percebemos que é um desporto que está a mexer na Europa e em Portugal”, disse, pelo que se decidiu avançar com o projeto.

Investimento de 120 mil euros partiu do Seiça, que agora beneficia de um protocolo com o município de Ourém para facultar aulas e utilização do campo gratuitas Foto: mediotejo.net

O G.D.C. de Seiça é sobretudo conhecido pela sua equipa de futebol sénior, bicampeã distrital do INATEL de Santarém, e com títulos nacionais e internacionais. “Temos aqui o futebol e éramos um pouco acusados de não termos formação”, explica ao mediotejo.net Fernando Silva. Porém, notou, “não temos muitas crianças na localidade e há muitos clubes de formação no concelho de Ourém”. O grupo desportivo optou assim por manter as equipas sénior e de veteranos de futebol e apostar na formação num outro desporto, com o qual também pudessem entrar em competições. 

O padel “é um jogo de ténis adaptado, com tabelas, e jogado por quatro pessoas. O campo também é mais pequeno que o de ténis”, explica, considerando que a modalidade torna-se tecnicamente mais fácil de jogar. “Entendemos que é um desporto em voga, transversal, para todas as idades. Com a pandemia, é também um desporto que implica pouco contacto”, reflete.

Apenas num ano a ideia passou do patamar das possibilidades para a concretização. O clube chegou a procurar apoio do município, mas acabou por investir os 120 mil euros de modo próprio, com bastante trabalho interno, poupanças e um empréstimo. Entretanto estabeleceu-se então um protocolo com a Câmara de Ourém, que durante três anos (e até 30 mil euros) vai financiar a utilização dos campos do Seiça, no mínimo de quatro horas semanais e mediante inscrição. Serão também disponibilizadas duas inscrições por aula da futura Escola de Padel, para jovens com idade igual ou inferior a 16 anos. 

semelhante ao ténis, o padel tem um campo mais pequeno e permite jogar com as barreiras Foto: mediotejo.net

Para já, os campos são de utilização gratuita durante o mês de agosto, começando a ser pago o aluguer em setembro. Pela mesma altura chega um professor de padel à associação. O grupo espera que as escolas adiram à nova modalidade e que se continue a verificar a afluência de praticantes, que vêm um pouco de toda a região. Gradualmente o objetivo é apostar em torneios sociais e na participação na competição da Federação Portuguesa de Padel. 

Os preços estipulados a partir de setembro, adianta a associação, são em linha com os praticados noutros campos. O aluguer do espaço fica entre 7,5 euros e 6 euros, por uma hora e meia, consoante se seja não sócio ou sócio, respetivamente. Há também a possibilidade de fazer cartões de utilizador, que diminuem os preços. No que toca à formação, os preços vão de 45 euros por mês a 35 euros por mês, mediante seja não sócio ou sócio do clube. 

No local, junto à sede da associação, foi ainda instalado um bar de apoio e balneários, em contentores adquiridos e explorados pela coletividade.

No que toca ao futebol sénior, Fernando Silva espera que este ano o campeonato do INATEL não seja novamente cancelado, dado a evolução da crise pandémica.

“A nossa expectativa é sempre sermos campeões nacionais”, salienta, adiantando que a equipa sénior e a respetiva equipa técnica se mantêm as mesmas, havendo, porém, alguns novos jogadores a integrarem o plantel. Os treinos retomam a 10 de setembro e o plantel será apresentado em breve.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome