Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Agosto 4, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

OURÉM: Detidos por GNR por burla com “Euros Negros”

A GNR deteve às 17:00 de segunda-feira, em flagrante delito, dois indivíduos de sexo masculino por suspeita de burla com “Euros Negros”, na localidade de Freixianda, no concelho de Ourém.

- Publicidade -

Em nota de imprensa, o Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do Destacamento Territorial da GNR de Tomar refere ter recebido uma denúncia a informar de uma tentativa de negócio (compra de pesado de mercadorias) com pagamento através de “dinheiro negro”.

Os então detidos deslocaram-se a uma empresa e mostraram interesse em comprar o veículo, tendo marcado um ponto de encontro em Freixianda – Ourém, dizendo que iriam pagar com “dinheiro negro”, dizendo à então vítima, que seria uma forma rentável e que iria receber mais do que o solicitado.

- Publicidade -

Por suspeita de uma possível situação de burla, os militares deslocaram-se ao local, tendo detido em flagrante delito os dois indivíduos e apreendido 22 blocos de 50€ e 28 blocos de 20€ de papel cor preta com dizeres Banco Interatlântico Grupo Caixa Geral de Depósitos, a simular dinheiro do Banco Central Europeu.

A burla de “Euros Negros” caracteriza-se por um pagamento com um tipo de papel, alegadamente dinheiro, e que através de uma suposta reação de químicos e água o papel transforma-se, segundo os burlões, em dinheiro utilizável, garantindo ainda que o valor do mesmo excede o valor pretendido pelas vítimas.

Os indivíduos, julgados em processo sumário no Tribunal da Comarca de Santarém, foram condenados e penas de multa e a trabalho comunitário nas freguesias das respetivas áreas de residência, na área da grande Lisboa.

 

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome