Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Outubro 17, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ourém | As Assembleias Municipais são “meros notários do poder camarário” – Albino Almeida

O presidente da Associação Nacional de Assembleias Municipais (ANAM), Albino Almeida, foi um dos oradores da conferência “Afirmar o Poder Local na vida democrática”, que decorreu na sexta-feira, 28 de junho, no auditório cultural dos Paços do Concelho de Ourém. Num discurso com alguma dose de sarcasmo, o autarca criticou a desvalorização das Assembleias Municipais, que perdem frequentemente o seu papel fiscalizador para serem meros retificadores das decisões do executivo camarário vencedor das eleições.

- Publicidade -

As Assembleias Municipais são “excecionais”, começou por refletir, “temos dois dias para analisar as contas” do município, quando os executivos levam meses a preparar o documento e possuem os respetivos gabinetes de apoio. Em pouco tempo, os deputados municipais, sozinhos e sem apoio especializado, têm que estar aptos a votar as finanças camarárias. “Isto não são condições para fiscalizar o executivo”, constatou.

Num período da democracia portuguesa em que na política se procura que as Assembleias Municipais possuam a mesma maioria partidária que vence a Câmara Municipal, as “assembleias são meros notários do poder camarário”, afirmou, limitando-se a confirmar o que já foi decidido e sem exercer o poder de fiscalização e debate para que foram criadas. Neste cenário, continuou, a população tende a concluir que “o jogo está viciado” e perde o interesse em ir votar.

- Publicidade -

Para Albino Almeida, na discussão sobre o poder local tem que se lutar pela valorização das Assembleias Municipais. “O que tem que acontecer é aprofundar o espaço de participação dos cidadãos”, defendeu, “temos que aumentar a oferta da democracia através das Assembleias Municipais”.

O responsável voltaria ao mesmo tema aquando a sessão de perguntas e respostas, criticando a posição de certos presidentes de Câmara que olham para as Assembleias como meros órgãos consultivos. Neste cenário, deu o exemplo da Associação Nacional de Municípios Portugueses, considerada pelo autarca a “associação nacional dos presidentes de câmara”.

O tema levantou breve discussão, sendo assumido pelos oradores presentes, inclusive o ex-Ministro e ex-presidente da Assembleia Municipal de Tomar, Miguel Relvas, que o papel fiscalizador das assembleias municipais é frequentemente colocado de parte e os presidentes de assembleia encontram dificuldades em fazer o seu papel.

O artigo 239º da Constituição da República Portuguesa refere que “a organização das autarquias locais compreende uma assembleia dotada de poderes deliberativos e um órgão executivo colegial perante ela responsável”.

Continua o artigo 251º que “a assembleia municipal é o órgão deliberativo do município e é constituída por membros eleitos diretamente em número superior ao dos presidentes de junta de freguesia, que a integram”. “Os órgãos representativos do município são a assembleia municipal e a câmara municipal”, afirma o artigo 250º.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome