Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Agosto 4, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Ourém anima com Roberto Leal, Clemente, música popular, fados e covers

A Praça Dr. Agostinho Albano de Almeida e o Parque da Cidade António Teixeira são os destinos de quem se quer despedir da semana com muita música. O primeiro local é palco da iniciativa “Músicas na Praça” desde o passado dia 22 de julho e recebe artistas até ao final deste mês de agosto. O segundo está reservado para Roberto Leal, Clemente, cantares populares e cavaquinhos na Festa das Comunidades Portuguesas esta sexta-feira, dia 5 de agosto.

- Publicidade -

Durante o mês de agosto não há sexta-feira sem animação musical com duas iniciativas que levam a música ao Parque da Cidade António Teixeira e à Praça Dr. Agostinho Albano de Almeida nos dias 5, 12, 19 e 26.

A Festa das Comunidades Portuguesas, no Parque da Cidade António Teixeira, abre o programa no dia 5. O ponto alto está marcado para as 22h00 com as atuações de Roberto Leal e Clemente, mas a animação começa a partir das 19h00 com o Grupo de Cantares Populares de Fontaínhas de Seiça (ASCF) e Grupo de Cavaquinhos da Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Moita Redonda.

- Publicidade -

As sextas-feiras seguintes dão continuidade às “Músicas na Praça”, iniciativa que propõe um estilo musical diferente por semana desde o passado dia 22 de julho. O concerto de abertura foi dedicado ao jazz com a banda Lady Sunday, ao que se seguiu a aposta nos covers dos Zukutru, no dia 29.

Os concertos realizam-se na Praça Dr. Agostinho Albano de Almeida, que em agosto recebe música popular portuguesa no dia 12, fados no dia 19 e covers num registo alternativo no dia 26. Na primeira data sobem ao palco os elementos do grupo oureense Romeiros, na segunda diversos fadistas interpretam os sons da alma portuguesa e o cartaz fica completo na terceira com os Sigma.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome