- Publicidade -

Ourém | 500 anos de Forais e um futuro Museu onde os pastorinhos foram ameaçados de morte

As Jornadas Europeias do Património de Ourém, que decorreram em setembro de 2016, foram marcadas com um conjunto de iniciativas em torno da fundação do concelho de Ourém, tanto na vila medieval como a sua transferência de sede para a vila nova. Foi apresentado o livro “Os Forais de Ourém” e permitida uma visita aos antigos Paços do Concelho, onde se prepara a criação de um núcleo museológico com a recriação da prisão onde estiveram os três pastorinhos de Fátima. Narram as “Memórias da Irmã Lúcia” que o administrador do concelho, Artur de Oliveira Santos, ameaçou as crianças que seriam mortas num caldeirão de azeite a ferver se não revelassem o seu segredo.

- Publicidade -

No edifício dos antigos Paços, recentemente requalificado, além dos serviços da Divisão de Ação Cultural, este “edifício multifacetado” vai acolher em breve um Museu, “uma espécie de extensão da história de Fátima, que tem as virtudes do alargamento da promoção turística”, explicou em conferência de imprensa o presidente da câmara, Paulo Fonseca.“A elaboração de um programa museológico precisa de aprofundamento do local, com recurso a tecnologia de valorização multimédia”, referindo que a sua inauguração será numa data posterior.

Este núcleo museológico irá recriar a prisão onde estiveram os três pastorinhos de Fátima a 13 e 14 de agosto de 1917, após terem sido raptados no caminho para o local onde se daria a aparição de Nossa Senhora (que só aconteceria a 15). Ficaram primeiro em casa do administrador do concelho (atual Museu Municipal), mas seriam posteriormente presos numa antiga cadeia que estaria localizada no edifício dos antigos Paços do Concelho.

- Publicidade -

Aí acabariam por rezar com os presos, foram interrogados e chegaram a ser ameaçados de morte num caldeirão de azeite a ferver se não revelassem o dito segredo que Nossa Senhora lhe revelara e admitissem que estavam a mentir. Este episódio foi relatado pelo Irmã Lúcia nas suas memórias mas não é muito conhecido, pretendendo-se assim criar uma ligação turística entre Ourém e Fátima.

*Publicado em setembro de 2016

 

 

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).