Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Maio 11, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Os turistas da faixa do meio”, por Vasco Damas

Há uns anos atrás refleti e partilhei a minha opinião sobre este tema. Recupero-o hoje porque sinto que está tudo praticamente na mesma.

- Publicidade -

Bem sei que o país tem problemas muito mais graves e que isto em comparação pode parecer demasiado insignificante… mas talvez não seja bem assim e, bem vistas as coisas, este também é um exemplo daquilo que somos como cidadãos e por arrasto, da imagem que projetamos enquanto país.

Nos últimos anos assistimos a um desenvolvimento brutal das redes viárias em Portugal. O país tornou-se ainda “mais pequeno” porque as autoestradas multiplicaram-se e permitem-nos hoje chegar mais depressa onde antigamente chegávamos muito mais devagar. Este tipo de investimento também modernizou as poucas autoestradas que existiam, passando estas a ter, em muitos quilómetros, três e quatro faixas onde normalmente só existiam duas.

- Publicidade -

No entanto, apesar de estes investimentos terem como objetivo a modernização das infraestruturas para um escoamento mais rápido do trânsito, quem anda com regularidade nestas estradas sabe que invariavelmente se encontram viaturas a fazer turismo na faixa do meio mesmo quando a faixa da direita se encontra desimpedida.

Quantos de nós não tiveram de sair da faixa da direita, ir à faixa central e finalmente passar para a faixa da esquerda apenas para realizar uma ultrapassagem? E isto porque há viaturas conduzidas por uns indivíduos que por algum motivo insondável acham que a faixa do meio é que é boa. E o mais preocupante é que estes indivíduos não estão padronizados nem em idade, nem em sexo, nem em condição social.

Seja por falta de conhecimento ou por falta de civismo, esta situação é grave e mostra que o desenvolvimento que se assistiu no país ao nível do betão está longe de ter sido acompanhado pelo necessário e desejado desenvolvimento das mentalidades.

Fica assim claro o desequilíbrio do investimento que foi realizado em Portugal. Investiu-se demais nestes bens não transacionáveis e investiu-se “de menos” na formação e na educação dos portugueses.

Mas este desequilíbrio talvez faça sentido. Cidadãos formados e educados são cidadãos que pensam… e isso pode ser demasiado perigoso para quem se quer perpetuar no poder.

É gestor e trabalhar com pessoas, contribuir para o seu crescimento e levá-las a ultrapassar os limites que pensavam que tinham é a sua maior satisfação profissional. Gosta do equilíbrio entre a família como porto de abrigo e das “tempestades” saudáveis provocadas pelos convívios entre amigos. Adora o mar, principalmente no Inverno, que utiliza, sempre que possível, como profilaxia natural. Nos tempos livres gosta de “viajar” à boleia de um bom livro ou de um bom filme. Em síntese, adora desfrutar dos pequenos prazeres da vida.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome