PUB

“Os postos estão vazios, mas a GNR quer mais generais”, por Duarte Marques

Há medidas que por melhor intencionadas que possam ser acabam por revelar um total alheamento e falta de noção de quem as toma ou propõe. Falo-vos da proposta de Lei Orgânica da GNR que defende uma duplicação do número de Generais na Guarda Nacional Republicana. Num contexto em que centenas de postos estão sem gente suficiente para as mais simples tarefas de patrulhamento, em que muitas noites e fins de semana não há sequer uma patrulha por Concelho, o Ministério da Administração da Interna e a GNR acham que é um bom momento para duplicar o rácio do número generais por cada 1000 militares.

PUB

A medida não está aprovada, mas como veio a público é essa a proposta do Comando da GNR e como nos parece obvio só avançaria para uma negociação com os parceiros depois de obter o consentimento do Ministro da Administração Interna que, espero, tenha o bom senso de recuar e travar esta aberração.

Se internamente se encontrarão justificações de carreira ou de expectativas dos oficiais na linha de promoção ou até da mais valia operacional para a estrutura, que eu duvido, do ponto de vista da motivação e da união do corpo de homens e mulheres que constituem “a guarda”, não há sinal mais contrário de desrespeito face às atuais dificuldades.

PUB

Milhares de homens e mulheres são hoje obrigados a desempenhar as suas funções conscientes que não cumprem as responsabilidades e nem correspondem às expectativas dos cidadãos por manifesta falta de pessoal.

É uma vergonha, mas a verdade é que dezenas de concelhos por esse país fora passam muitos dias, noites e fins de semana sem uma única patrulha disponível. É uma vergonha, mas são demasiados os dias em que uma única patrulha da GNR é que assegura o serviço em três e quatro concelhos. É uma vergonha, mas a GNR nem fornece atempadamente o fardamento necessário aos seus militares obrigando-os a adquiri-lo no mercado paralelo. É uma vergonha, mas se não fossem as autarquias muitos postos da GNR não tinham um veículo a funcionar para desempenhar a sua função. É uma vergonha, mas enquanto a GNR investe milhões de euros em novos barcos patrulhas os seus homens e mulheres trabalham em quartéis sem quaisquer condições. A GNR tem muitos problemas para resolver e devolver a dignidade à mais tradicional força de segurança do país, duplicar o número de generais não é de certeza a sua prioridade.

Fica a sensação que a única justificação é a necessidade de garantir vaga para os Coronéis que legitimamente querem subir na carreira ou para dar guarida aos Generais em excesso nas Forças Armadas.

No último Governo do PSD fizemos uma das maiores reduções ao nível de Generais das Forças Armadas. A maior necessidade da GNR, que tem o atualmente o maior quadro de generais da sua história,  é de “botas no chão” e que eu saiba os Generais calçam botas mas ainda não fazem patrulhas.

 

PUB
PUB
Duarte Marques
Duarte Marques, 38 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros. Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).