Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Os portugais de Portugal”, por Adelino Correia-Pires

Com o Verão e a chegada dos emigrantes, mais se acentua o contraste entre os portugais de Portugal. Sem regionalismos bacocos, como é diferente ser-se do norte ou do sul, urbano ou da província, do continente ou das ilhas.

- Publicidade -

No Minho, Beiras e Trás-os-Montes, não há lugar ou freguesia que não festeje o padroeiro. Orgulhosos, os mordomos vestem-se a rigor e as festas e romarias daquelas gentes, são lugares de encontros, reencontros e saudades, mortas com a chouriça e o caneco. Mais a sul, o tempo é de praia e festivais de verão, onde o bronzeado e a tatuagem desfilam em passerelas de vaidade.

Nas grandes cidades, os cruzeiros e os low-cost, fizeram de Lisboa e Porto capitais do turismo enlatado, entre um faduncho inspirado e um bom cálice de “três velhotes”.

- Publicidade -

Seja aqui ou acolá, não fazemos a coisa por menos. Há sempre algo que nos une ou nos distingue dos camones ou dos chinocas. A sardinha e o bacalhau, o pastel do dito cujo, o tal vinho do Porto, o Zé Povinho ou o galo de Barcelos, só poderiam ser nossos, e onde há um português, lá estão eles. São a nossa imagem de marca, estão presentes nas mesas fartas, recheiam os “souvenirs” e têm na sua essência, uma história de trabalho e sofrimento.

Na sardinha e no bacalhau, fiel amigo e cozinhado de mil maneiras, se homenageia a coragem dos pescadores das águas frias e dóris da Terra Nova. Nos velhos socalcos do Douro, trabalhados que nem um galego, se produz aquele que, “very british” é hoje um dos mais chics vinhos do mundo.

Em Barcelos, capital do figurado, na lenda do famoso galo, se revê a justiça popular, quando o acusado, injustamente condenado à morte, fez com que no repasto do juiz, o galo ressuscitasse do banquete e cantasse alto e bom som, o grito da sua inocência.

E já secular mas ainda actual, a sabedoria popular eternizou para sempre, o génio de Bordalo Pinheiro. Afinal, hoje mais que nunca, o Portugal dos portugais, bem precisaria de dez milhões de “Zé Povinhos”. De descobridor a descoberto foi um passo. Vai dar certo?…

* Crónica escrita em julho de 2014, publicada no Jornal Torrejano e no livro “Crónicas com Preguiça” e reescrita hoje.

Nasceu em Portalegre, em 1956, em dia de solstício de verão. Cresceu no Tramagal e viveu numa mão cheia de lugares. Estudou, inspirou, transpirou e fez acontecer meia dúzia de coisas ao longo do tempo. Mais monge que missionário, é alfarrabista no centro histórico de Torres Novas. Vai escrevinhando por aí, nomeadamente no blogue "o tom da escrita" e é seu o livro “Crónicas Com Preguiça”. E continua a pensar que “não pode um país estar melhor se a sua gente está pior e apenas lhe resta ir colhendo a flor da dúvida, bem me quer, mal me quer...”

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome