Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“E até a hora mudou”, por Sérgio Ribeiro

  • Foi uma manhã no Tejo.

Em convívio e passeio no barco Liberdade. Em que umas duas dezenas de mulheres e homens recuámos 70 anos das nossas vidas, da vida colectiva que nós somos. Em que fomos Redol e Avieiros, e fomos Soeiro e Esteiros, e fomos Álvaro Cunhal e os desenhos das crianças que não o foram, e fomos Arquimedes com o seu sonho socialista que não queria que acordasse do sonho no gesto cristão, e fomos Lopes Graça e Bento Caraça e tantos outros/as. Em que fomos Dias Lourenço a embarcar na sua Vila Franca.

- Publicidade -

Foi 5ª feira. Numa manhã de Sol e de Tejo. E de memória, de reencontros e amizade. Em que ouvimos voz quente e comovida ler (ou ser?) Carlos Oliveira, Mário Dionísio, António Feijó, Joaquim Namorado, e ouvimos outra voz, com muito saber – e a procura que faz o saber –, reflectir entre nós, connosco, sobre neo-realismo, luta clandestina, repressão. Humanidade num tempo violento, desumano.

Foi uma manhã no Tejo. Que nos encheu de rio e de vida que não foi vivida por nós mas que nos fez viver o que queremos ser. Seres humanos em convívio.

- Publicidade -

Como? Porquê? Para quê?

Antes, não sabia muito bem. Apenas respondi a uma convocatória fraterna. Fiquei a conhecer alguma coisa do porquê e do para quê. Espero que venham a ser conhecidos. Por agora, em fotos que são a recordação imediata, mais tarde em vídeo e filme. Que assim seja, amigos da equipa que tanto e tão bem trabalhou. Que transborde – como cheia benéfica do nosso Tejo – de nossas casas e sofás familiares para as televisões e pantalhas de toda a gente.

  • Não tivemos muito tempo para saborear e registar – como agora o faço – o passeio no Tejo, no barco Liberdade, como há 70 outros nós, maiores que nós, o fizeram.

Em vez da querida recordação, a daquele dia e a longínqua no tempo, tivemos a agressão brutal de um discurso. A que só posso colocar a etiqueta-imagem de ódio. Recusando-o e recusando etiquetas (ou estrelas de papel a colocar em casacos coçados). Não que quem está – eleito, lembre-se – no lugar de Presidente da República não tivesse legitimidade para tomar a decisão que tomou, mas nunca, intoleravelmente, nos termos em que ofez, com as justificações (?) e as ameaças (!) com que ornamentou.

Foi 5ª feira. E tudo se entrelaçou. Baralhou. A memória e o futuro próximo.

E até a hora veio a mudar!

Doutor em Economia e ex-membro do Comité Central do PCP, é membro da Assembleia Municipal de Ourém. Foi deputado à Assembleia da República em 1986 e de 1989 a 1990. Foi também consultor Chefe de Missão BIT/OIT em Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique, Director Geral do Emprego e deputado ao Parlamento Europeu desde 1990 a 1999, onde integrou várias Comissões do Parlamento Europeu e do Inter-Grupo do PE para as Questões de Timor-Leste.
Escreve mensalmente no mediotejo.net.

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome