Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Setembro 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Onda de calor na próxima semana fará termómetros subirem acima dos 45ºC

Além do risco aumentado de incêndios de grandes proporções, as ondas de calor têm um forte impacto na saúde, sobretudo nos mais velhos. Saiba os cuidados a ter

“Quando vires as barbas do teu vizinho a arder põe as tuas de molho”, diz um velho ditado. E se nos últimos dias têm sido notícia as altas temperaturas em Itália, Grécia e Turquia, e os fogos devastadores que estão a assolar aquela região, as previsões meteorológicas europeias indicam que Portugal e Espanha irão ficar sobre a influência de uma onda de calor semelhante, proveniente do Norte de África, em meados de agosto.

- Publicidade -

Os dados do Centro Europeu de Previsão a Médio Prazo (ECMWF), que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) utiliza nas suas previsões alargadas, dão conta de uma subida de quase 20ºC a partir da próxima semana, contrastando com a situação dos últimos 15 dias, em que os valores da temperatura máxima estiveram abaixo da média para a época do ano, tendo mesmo chegado a chover no dia 1 de agosto em vários pontos do país.

A Grécia registou esta semana recordes absolutos de temperatura (47ºC em Atenas) e o mesmo poderá suceder em Portugal. Os valores mais altos de sempre aconteceram durante ondas de calor semelhantes: em 2003, a estação meteorológica da Amareleja, no Alentejo, registou 47,4º graus (recorde europeu), e em 2018 os termómetros oficiais marcaram 46,8ºC em Alvega, no concelho de Abrantes.

- Publicidade -

Previsão para 11 de agosto, com temperaturas na ordem dos 45 graus assinaladas a vermelho no mapa.

Uma onda de calor ocorre quando num intervalo de pelo menos seis dias consecutivos a temperatura máxima é superior em 5ºC ao valor médio diário no período de referência. Em Portugal são de má memória os anos de 2003, 2015, 2017 e 2018, devido aos incêndios que ocorreram durante ondas de calor “anormais” – mas este será o nosso “novo normal”, avisam há muitos os especialistas em alterações climáticas. A tendência é que as ondas de calor sejam cada vez mais frequentes e intensas. 

Além do risco aumentado de incêndios de grandes proporções, as ondas de calor têm um forte impacto na saúde, sobretudo nos mais velhos. Em 2003, classificado como o pior ano nesta matéria na Europa, morreram cerca de 70 mil pessoas apenas em consequência do calor extremo, segundo dados oficiais da União Europeia.

Cuidados a ter

Ingestão de Líquidos
Mesmo sem sede, beber com regularidade água e sumos naturais, que também fazem a reposição de sais minerais; Incentivar os idosos e as crianças a beberem mais líquidos. Evitar bebidas que aumentam a desidratação, como as bebidas alcoólicas e bebidas gaseificadas, com cafeína, ricas em açúcar ou quentes.

Refeições
Fazer refeições mais ligeiras, com pouca gordura e condimentos, várias vezes ao dia.

Vestuário
Usar roupas leves de algodão e de cores claras (as cores escuras absorvem maior quantidade de calor); evitar fibras sintéticas, porque aumentam a transpiração,

Em casa
Durante o dia, abrir as janelas e manter as persianas fechadas, para haver circulação de ar; de noite, abrir as janelas para que o ar circule e a casa arrefeça; nas horas de maior calor tomar um duche, mas não com água muito fria: o ideal é com água tépida.

Na rua
Proteger a cabeça com chapéu ou lenço; evitar estar em pé durante muito tempo, especialmente em filas e ao sol; ir à praia só nas primeiras horas da manhã ou ao fim do dia, ficando à sombra, com chapéu, óculos escuros e protector solar. Evitar exercício físico e atividades laborais que exijam muito esforço.

Viagens de carro
Optar por viagens nas horas de menos calor; não fechar totalmente as janelas, a não ser que tenha o ar condicionado sempre ligado; redobrar cuidados com bebés, crianças e idosos, mantendo-os arejados e hidratados; no transporte de animais domésticos, dar-lhes água com frequência e não os deixar fechados.

Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

3 COMENTÁRIOS

  1. Essa previsão tem 1% de hipóteses de se concretizar…
    Em caso de previsões meteorológicas extremas, aconselho consultar as Previsões de Curto e Médio prazo do site https://www.meteopt.com/
    É feito sobretudo com o contributo de amadores e de meteorologistas sem colocação profissional efectiva, mas dá um seguimento interessante e uma perspectiva mais alargada e concreta sobre estes fenómenos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome