Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Junho 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Observatório vai monitorizar a Estrada Nacional 2, mítica estrada que atravessa o país

A Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 – AMREN2 lança durante este mês um conjunto de ações com o objetivo de consolidar a marca e a imagem do destino, reforçar ou gerar notoriedade e projetar os 35 concelhos atravessados pela mítica estrada. A EN2, que atravessa o país, vai dispor também de um observatório para monitorizar, avaliar impactos e apoiar o desenvolvimento de estratégias de desenvolvimento.

- Publicidade -

No ano em que a Estrada Nacional 2 comemora o seu 76º aniversário, a AMREN2 destaca uma Rota que “continua a primar pela diferença, sendo considerada um destino seguro”, sublinhando a “oferta de produtos e locais menos massivos, diferenciadores, sustentáveis, e seguros” de encontro às novas tendências de turismo”.

Para além de uma campanha promocional onde se pretende demonstrar a singularidade e a essência que o turista pode encontrar ao longo da Nacional 2, estão identificados cerca de 1500 estabelecimentos com o selo Clean & Safe e 650 parceiros que serão devidamente reconhecidos e aconselhados pela AMREN2.

- Publicidade -

A Rede de Agentes está em constante evolução e cumpre um conjunto de requisitos que permite garantir um serviço distinto a todos os que queiram percorrer e descobrir Portugal de Norte a Sul.

Em nota de imprensa, o presidente da AMREN2, Luís Machado, admite que 2021 “será o ano de afirmação para a Rota, como um destino diferente e diferenciador que permite a criação de riqueza para todos os habitantes da Estrada Nacional 2. Hoje a N2 é conhecida nacional e internacionalmente com uma oferta turística de qualidade, sustentável e segura”.

O responsável adiantou ainda que, “para além da solidificação da marca e do produto turístico, da dinamização da Rede de Agentes, está prevista até ao final do ano a colocação da sinalização em toda a Rota da Estrada Nacional 2”.

EN2 em Bemposta, Abrantes. Foto: CMA

Observatório vai monitorizar a Estrada Nacional 2 que atravessa o país

A Estrada Nacional 2 (EN2), que atravessa o país, vai dispor de um observatório para monitorizar, avaliar impactos e apoiar o desenvolvimento de estratégias de desenvolvimento, uma iniciativa anunciada pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

O projeto envolve ainda a Associação de Municípios da Rota da EN2 e conta com cerca de 40 investigadores de 13 instituições de ensino superior.

De acordo com a UTAD, localizada em Vila Real, o observatório que se pretende implementar tem como objetivos “monitorizar, avaliar os múltiplos impactos diretos e indiretos e servir de apoio à formulação de estratégias e políticas de desenvolvimento”.

“Integra-se nos valores do turismo sustentável que defende uma forma de turismo que compatibilize e integre os aspetos naturais, culturais e sociais com o desenvolvimento económico nestes espaços”, afirmou Teresa Sequeira, investigadora do Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD), da UTAD.

Luís Machado, presidente da Câmara de Santa Marta de Penaguião e da Associação de Municípios da Rota da EN2 (AMREN2), afirmou à agência Lusa que este projeto vem ao encontro das aspirações dos municípios e está relacionado com o estudo do impacto da Rota da Nacional 2 nas comunidades.

O observatório, segundo o autarca, vai avaliar o impacto socioeconómico da EN2 na vida das pessoas, das que residem ou trabalham ao longo da estrada que atravessa o país, e vai também ajudar a definir novas estratégias e caminhos.

Segundo Teresa Sequeira, o observatório “pretende ainda contribuir para os objetivos da agenda 2030, através da valorização e proteção dos recursos naturais, paisagísticos e culturais únicos dos territórios das áreas atravessadas e envolventes da EN2, bem como das suas gentes”.

“Tratam-se de territórios do interior, na sua maioria de baixa densidade e com todos os problemas demográficos, sociais e económicos inerentes, e que urge reverter, pelo que a dinamização turística da EN2 pode constituir um instrumento de grande impacto para estes territórios”, salientou a investigadora.

De acordo com o autarca, o observatório vai ser alvo de uma candidatura ao Turismo de Portugal, no entanto, adiantou ter a “esperança” que no fim do primeiro semestre deste ano “já estejam no terreno as primeiras ações” e que, no final do ano, já “haja resultado de alguns estudos para partilhar”.

Luís Machado foi um dos impulsionares da Rota da EN2, a estrada que atravessa o país ao longo de mais de 700 quilómetros, de Chaves até Faro.

A EN2 é muitas vezes comparada com a ‘Route’ 66, porque, à semelhança do que acontece com a estrada norte-americana, também rasga o país de uma ponta à outra.

O autarca salientou ainda que a EN2 se transformou numa “atração turística”, que proporciona “opções diferentes” para os viajantes, é um “produto intergeracional” e foi também um “destino seguro” em tempos de pandemia.

Em 2020, quando assinalou 75 anos, a EN2 foi atravessada por cerca de 70 mil pessoas.

“Os nossos números, por baixo, indicam que as pessoas que fizeram a N2 ultrapassaram as 70. Foi um ano extraordinário e foi também o consolidar do trabalho que já vinha a ser feito”, frisou.

Em 2019, foram “acima das 30 mil” as pessoas que percorreram aquela estrada.

Luís Machado disse ter a expectativa que, em 2021, se mantenha a tendência de crescimento.

A Nacional 2 passa pelo interior das povoações, de Trás-os-Montes ao Algarve, e liga paisagens tão diferentes como as vinhas do Douro, as planícies do Alentejo ou as praias do sul do país.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome