Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Trincanela

Sábado, Julho 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Trincanela

“O teu marido ajuda-te?”, por Vânia Grácio

Ambos trabalham. Vais buscar os miúdos à escola quando sais do trabalho e ainda passas no hipermercado para comprar qualquer coisa para o jantar. Carregas com um dos miúdos ao colo, o outro já anda à tua frente e sobes as escadas de casa com um saco de compras na outra mão. Entretanto chega o teu marido, quando já estás a arrumar as compras e os miúdos correm pela cozinha, mexendo nos armários, e espalhando brinquedos pelo chão.

- Publicidade -

Adiantas mais ou menos o jantar, e vão dar banho às crianças. O teu marido ajuda-te nisto. Depois do banho, vão jantar, que entretanto ficou pronto. Serves toda a gente, e a ti por último. Depois do jantar, arrumas a cozinha e vão todos para a sala ver um canal de desenhos animados. Sim, porque já perdeste o direito a ver televisão. Estás estafada.

Sentaste no sofá e quase que adormeces, mas não. Os teus filhos têm energia para dar e para vender e tu já estás de rasto, mas mesmo assim, não abdicas de os encher de mimos, de lhes fazer cocegas e de brincarem todos juntos. Entretanto é hora de ir para a cama, e toca a mudar fraldas, contar a história antes de dormir e claro, dar o beijinho de boa noite.

- Publicidade -

Tu ficas mais um pouco para adormecer as crianças, e o teu marido voltou para a sala para ver televisão. Crianças a dormir, guardas o jantar que sobrou para o almoço do outro dia, e orientas tudo para o dia seguinte. Roupas para as crianças, para ti e para o teu marido, preparas tudo para o pequeno-almoço e o lanche para as crianças levarem para a escola.

Vais deitar-te. No outro dia, acordam cedo para ir trabalhar. O teu marido prepara-se e sai de casa, tu levantas-te, tomas um duche rápido, vestes as crianças e vais leva-las à escola, antes de ir para o trabalho. E recomeça tudo outra vez. No entanto, dizes a toda a gente, que o teu marido te ajuda. E quando ele vai deitar o lixo fora, ficas contente porque te ajudou a arrumar a cozinha. Quando te ajudou a dar banho os miúdos, ficas contente. Quando colocou a mesa antes de jantar, ficas contente porque ele te ajudou. Ainda bem que ele te ajuda. Isso quer dizer que todas estas tarefas são responsabilidade e obrigação tua, mas felizmente tens um marido que te ajuda.

Quero apenas ser provocadora no sentido de despertar para a necessidade de partilha de tarefas em casa e nos cuidados dos filhos. É um facto que nos dias de hoje o homens têm um papel mais ativo nestas tarefas e têm já uma mente mais aberta para a necessidade de partilharem o trabalho doméstico.

Felizmente vejo as coisas mudarem no bom sentido, embora muito ainda haja para mudar. A cultura de que as tarefas domésticas e cuidados às crianças são responsabilidade da mulher, mesmo que trabalhe fora de casa todo o dia, ainda está muito enraizada na nossa sociedade. E nisto somos todos responsáveis.

Estes hábitos culturais estão bem presentes desde a conceção de um bebe. Compramos rosa para as meninas e azul para os meninos. Bonecas para as meninas, carrinhos para os meninos. O homem deve ser forte e gostar de futebol. As meninas devem ser recatadas e ajudar a mãe em casa. Hoje este paradigma está a mudar. E é importante que mude.

Homens e Mulheres têm os mesmos direitos e os mesmos deveres na nossa sociedade. Nós mulheres precisamos ser firmes na defesa dos nossos direitos e os homens, devem interiorizar que já não vivemos numa sociedade paternalista.

As tarefas domésticas são responsabilidade e obrigação dos dois. Dividindo, elas diminuem. Por outro lado, a felicidade é algo que se multiplica quando se divide. Sejam felizes.

Vânia Grácio é Assistente Social e Mediadora Familiar e de Conflitos.
Licenciada em Serviço Social pelo Instituto Superior Bissaya Barreto e Mestre em Serviço Social pelo Instituto Superior Miguel Torga. Pós Graduada em Proteção de Menores pelo Centro de Direito da Família da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e em Gestão de Instituições de Ação Social pelo ISLA. Especializou-se na área da Mediação de Conflitos pelo Instituto Português de Mediação Familiar e de Conflitos.
Trabalha na área da Proteção dos Direitos da Criança e da Promoção da Parentalidade Positiva. Coloca um pouco de si em tudo o que faz e acredita que ainda é possível ver o mundo com “lentes cor-de-rosa”. Gosta de viajar e de partilhar momentos com a família e com os amigos (as). Escreve no mediotejo.net ao sábado.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here