O ‘Efeito Borboleta’ do Tramagal volta a sentir-se dias 16 e 17 no Médio Tejo

A associação juvenil CISTUS, de Tramagal, volta a aplicar a teoria avançada pelo cientista Edward Lorenz à música moderna portuguesa com a realização de mais um festival “Efeito Borboleta” na Sociedade Artística Tramagalense (SAT). Partindo da ideia de que o simples bater de asas de uma borboleta pode originar um tufão do outro lado do mundo, a iniciativa que se realiza em Tramagal esta sexta-feira e sábado, dias 16 e 17 de setembro, vai abalar a região do Médio Tejo.

PUB

O Festival “Efeito Borboleta“ continua inspirar-se na teoria avançada pelo cientista Edward Lorenz, em 1963, segundo a qual o simples bater de asas de uma borboleta pode originar um tufão do outro lado do mundo. Este é mote seguido pela CISTUS, associação Juvenil de apoio ao desenvolvimento local da freguesia de Tramagal, desde 2007, aplicando-o no panorama musical português.

Os concertos com os quais a CISTUS pretende abalar a região do Médio Tejo na quinta edição do festival dividem-se pelos dias 16 e 17 de setembro, na Sociedade Artística Tramagalense e com início marcado para as 22h30. Hoje, sexta-feira, atuam as bandas “The Sunflowers”, “Nice Weather For Ducks” e “Plus Ultra” e 24 horas depois chegam os “The Zanibar Aliens”, “Memória de Peixe” e “The Quartet of Woah!”.

PUB

Na primeira noite o bater das asas da borboleta tramagalense é motivado pelos ritmos garage rock, surf punk, indie, pop, rock e power trio. Os dois primeiros estilos musicais vêm do Porto com os “The Sunflwers”, banda de Carol Brandão (voz e bateria) e Carlos Jesus (voz e guitarra), criada em 2014 e com lançamento do álbum de estreia previsto para este ano. Se algum fã quiser surpreende-los basta levar-lhes luzinhas de Natal, um dos muitos gostos revelados online.

O indie e o pop são trazidos de Leiria no mesmo dia pelos “Nice Weather for Ducks”, que juntam Tiago Domingues (bateria), Luís Gerónimo (voz e guitarra), Hugo Domingues (voz e baixo), Diego Alonso (voz e guitarra) e Bruno Santos (voz e teclas). As primeiras memórias datam de 2010 e as mais recentes de 2016 com a apresentação do novo álbum “Love Is You And Me Under The Night Sky” através do single “Marigold”.

PUB

Ainda no dia 16, o rock e o power trio dos “Plus Ultra” chegam do Porto com as influências das carreiras musicais de Gon (Zen), Kino (Ornatos Violeta) e Azvs (Mosh). Entre 2010 e 2011 partilharam espaços recônditos e palcos e decidiram fazer jus ao nome – plus ultra significa “mais além” em latim – ao regressar em 2015 após uma paragem de quatro anos.

Sábado. Mesma hora, mesmo local e o regresso do rock e do indie, o primeiro nas formas “n’ roll”, hard, psicadélico e alternativo dos “The Zanibar Aliens”. Carl Fernandes (voz e piano), Filipe Fernandes (guitarra), Martim Seabra (guitarra), Ricardo Pereira (baixo) e Diogo Braga (bateria) têm como referência musical as décadas de 60 a 90, mas apenas têm memórias da última. Os cinco elementos têm menos de 20 anos, o que não os torna “meninos”.

A “Memória de Peixe” é mais curta e dá nome ao projeto musical de Miguel Nicolau (guitarra) e Marco Franco (bateria) criado na capital portuguesa há quatro anos. O grupo partilha no mesmo dia o indie improvisado, os loops e o estilo jazzy que marcam o novo álbum de originais ,“Hamiko Cloud”, pronto para sair no próximo mês de outubro.

Também de Lisboa, mas com rock na bagagem, parte o quarteto de Gonçalo Kotowicz (voz e guitarra), Rui Guerra (voz e teclas), Miguel Costa (voz e bateria) e André Gonçalves (voz e baixo). Os “The Quartet of Woah!” surgiram em 2010 e estrearam-se com o trabalho discográfico “Ultrabomb” em que falam de ambição, deceção, política e guerra. Temas interpretados com o toque próprio que mistura bandas que fazem parte das suas carreiras musicais (LunaSeaSane, Nicorette, Melange, Blasted Mechanism, Zorg e Philharmonic Weed).

A borboleta já saiu do casulo e vai voltar a bater as asas no Tramagal. O outro lado do mundo que se cuide!

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here