Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Número de utentes sem médico de família agrava-se em 2021 e atinge os 900 mil

O número de utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) sem médico de família aumentou em 2021 e atinge já os 900 mil cidadãos, reconheceu hoje a ministra da Saúde, numa audição regimental na Assembleia da República.

- Publicidade -

“Relativamente ao problema da cobertura de médicos de família, de facto, em abril a cobertura de utentes inscritos com médico de família situava-se nos 91%, correspondendo a cerca de 900 mil utentes sem médico de família”, começou por dizer Marta Temido aos deputados da Comissão Parlamentar de Saúde.

A governante avançou com a explicação para o agravamento da situação, sem esconder que é um tema em que o executivo tem de “trabalhar para inverter a tendência”.

- Publicidade -

“A situação agravou-se em abril porque se continuam a verificar – e eram previstas – aposentações. Só este ano aconteceram mais de 100 aposentações de especialistas de medicina geral e familiar, mas, por outro lado, temos também mais 59 mil inscritos nos cuidados de saúde primários só neste quadrimestre. Muitos utentes cuja inscrição estava inativa, porque não eram utilizadores e reativaram a sua inscrição com a procura de cuidados de saúde e de vacinação”, justificou.

Marta Temido salientou ainda, em relação aos cuidados de saúde primários (CSP), que até ao final de junho serão colocados “recém-especialistas em medicina geral e familiar que se apresentaram a exame em abril e que são indispensáveis para melhorar a cobertura” das equipas de saúde, nas quais garantiu também estar em curso a contratação de enfermeiros.

Em sentido inverso, a ministra da Saúde aproveitou para apresentar a recuperação com “números muito significativos” dos CSP em termos de consultas nos primeiros quatro meses deste ano, nomeadamente o crescimento de 24% das consultas médicas, 51% das consultas de enfermagem e 26% de consultas de outros técnicos de saúde face ao mesmo período de 2020.

Segundo a ministra, registou-se ainda uma “recuperação da atividade de rastreio” oncológico nos centros de saúde, com um “aumento da cobertura geográfica das unidades funcionais”.

“Quanto à recuperação da atividade de rastreios, houve um aumento do número de pessoas convidadas e rastreadas em todas as linhas, desde o cancro da mama, colo do útero e do cólon e reto. E, neste quadrimestre, com um aumento da cobertura geográfica, com um aumento das unidades funcionais com estes rastreios, respetivamente mais 4, 16 e 63 centros de saúde onde estes rastreios já estão implementados”, notou.

Quanto aos cuidados em ambiente hospitalar, Marta Temido realçou o aumento de 12% nas consultas de especialidade e de 22% nas cirurgias nos primeiros quatro meses de 2021, enaltecendo a importância do incentivo extraordinário, que “permitiu, com dados a abril, realizar mais de 82 mil consultas e 30 mil cirurgias”.

A ministra assinalou também que na área da oncologia, “a lista de inscritos para cirurgia acima do tempo máximo de resposta garantido foi reduzida neste quadrimestre” em cerca de 5%, apesar de sublinhar que foram operados durante o primeiro trimestre deste ano 68% das pessoas que se encontravam inscritas nas listas em dezembro de 2020.

Agência de Notícias de Portugal

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome