Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

NOTA DA DIREÇÃO | Opinião em tempo de eleições

Apesar de ainda faltarem alguns meses para as eleições autárquicas de 1 de outubro, a direção do jornal mediotejo.net decidiu solicitar aos seus colunistas políticos a suspensão da sua colaboração a partir do final deste mês de abril.

A lei determina que essa suspensão ocorra apenas durante o período oficial de campanha eleitoral (em setembro) mas a luta política começa a travar-se muito antes e, havendo já entre os nossos colunistas candidatos oficiais – caso de Helena Pinto, do Bloco de Esquerda, que concorre à Câmara de Torres Novas – e outros com responsabilidades acrescidas nas distritais dos seus partidos – como Hugo Costa, do Partido Socialista, ou Duarte Marques, do Partido Social Democrata -, entendemos que esta era a posição mais correta. Também o espaço de opinião “A Voz aos Autarcas” se encontra suspenso, pelos mesmos motivos.

Artigo 5º da Lei nº72-A/2015 de 23 de julho. Regime Jurídico da cobertura jornalística em período eleitoral

A defesa do pluralismo de opiniões e igualdade de oportunidades está inscrito desde o primeiro dia na matriz deste jornal, no seu Estatuto Editorial, que define que o mediotejo.net se rege, no exercício da sua atividade, “pelo cumprimento rigoroso das normas éticas e deontológicas do jornalismo; defende o pluralismo de ideias, pautando-se pelo princípio de que os factos e as opiniões devem ser claramente separados; é independente do poder político, do poder económico e de quaisquer grupos de pressão”.

Nesse sentido, também os jornalistas e colaboradores regulares do jornal – tendo a liberdade consagrada na Constituição de votarem e apoiarem os candidatos e partidos que entenderem, a nível pessoal -, não publicam quaisquer artigos sobre Política caso seja pública a sua preferência partidária e suspenderão a sua colaboração com o mediotejo.net caso assumam qualquer responsabilidade nas campanhas dos partidos, nos próximos meses.

O mediotejo.net pretende fazer uma ampla e rigorosa cobertura do período eleitoral que se avizinha, promovendo o debate entre todos os candidatos e assegurando as condições para que possam ter igualdade de oportunidades no tratamento jornalístico das suas candidaturas.

- Publicidade -

O papel da comunicação social é vital para a formação da opinião pública e, cada vez mais, importa diferenciar os factos das opiniões, o que é verdade do que é um boato, ou uma mentira fabricada para atingir fins nem sempre claros. É essa a missão mais nobre do jornalista: ouvir várias fontes, confrontar, verificar e investigar todas as informações.

Não apoiamos nenhum partido nem nenhum candidato: o nosso comprometimento é com a isenção e a verdade, em nome do serviço público que queremos prestar aos nossos leitores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome