Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Terça-feira, Agosto 3, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Negócios: Nersant viaja esta semana para Moçambique

É já esta sexta-feira, dia 2 de setembro, que a Nersant – Associação Empresarial da Região de Santarém -, viaja para Moçambique com um conjunto de empresários em busca de oportunidades de negócio para a região.

- Publicidade -

Direcionada para a concretização de negócios entre as empresas portuguesas e os mercados a visitar, a Nersant, nesta missão empresarial, volta a apostar na realização de reuniões B2B (business to business) com empresas locais, tendo estas sido preparadas e agendadas de acordo com os objetivos das partes interessadas.

As reuniões entre as empresas moçambicanas e as portuguesas vão decorrer durante os 5 dias em que decorre a ação, esperando a associação empresarial a realização de dezenas de encontros de negócio que poderão ser o ponto de partida para a firmação de parcerias ou até trocas comerciais entre os países.

- Publicidade -

Além das diversas reuniões B2B, a Nersant organizou um evento / mostra, onde as empresas participantes na missão empresarial vão ter a oportunidade de se apresentar, bem como de dar a conhecer os seus produtos a este mercado.

Nesta mostra, também as oportunidades de negócio da região do Ribatejo serão apresentadas ao público empresarial presente.

Outra das atividades prevista no âmbito desta missão empresarial, que se realiza exclusivamente na capital do país, Maputo, é a visita à FACIM – Feira Agropecuária, Comercial e Industrial de Moçambique, a maior montra para a exposição de produtos e potencialidades de Moçambique, que assinala este ano a 52ª edição.

Os empresários portugueses regressam a território nacional no dia 8 de setembro. Ainda este ano, e no âmbito do apoio à internacionalização das empresas, a associação realiza mais duas missões empresariais: uma a Marrocos, em novembro, e outra ao Canadá, em dezembro.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome