Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Natação | Mayra Santos quer superar recordes e nadar 40 km seguidos em Castelo do Bode

Ao longo de 40 km, a atleta não pode sair da água nem agarrar-se a qualquer apoio. Sem fato isotérmico ou barbatanas, terá de nadar cerca de 12 horas sem parar, e pede o apoio do público ao longo do percurso, a 21 de junho

O nome de Mayra Santos já consta do livro Guiness de recordes, mas a nadadora nascida no Brasil e com nacionalidade portuguesa não está satisfeita e, aos 42 anos, propõe-se superar objetivos ainda mais difíceis.

- Publicidade -

O próximo desafio vai acontecer na nossa região no dia 21 de junho. Mayra propõe-se nadar 40 km desde a Foz do Alge, no concelho de Figueiró dos Vinhos, até Aldeia do Mato, no concelho de Abrantes, ao longo de 12 horas pela albufeira de Castelo do Bode.

A atleta nasceu em Minas Gerais, no Brasil, reside na Madeira há 17 anos, é casada e mãe de dois filhos e tem nacionalidade portuguesa.

- Publicidade -

Foi apenas há cinco anos que redescobriu o prazer da natação e a paixão pelo mar. Desde aí vai somando recordes na natação em águas abertas, que é a sua especialidade.

O “treino” do dia 21 no rio Zêzere faz parte do trabalho de preparação para o maior desafio da sua carreira como nadadora, que é realizar a volta à ilha da Madeira a nado, prova que pensa concretizar em 2022, faltando apenas definir a data. Serão três dias e duas noites seguidas a nadar “non stop”, como explica a própria em entrevista ao mediotejo.net.

Percurso de 40 km que a nadadora Mayra Santos quer realizar, no próximo dia 21 de junho. Créditos: DR

A atleta ressalva que a água da albufeira de Castelo do Bode pode estar um pouco mais fria do que a água dos mares da Madeira onde está habituada a nadar, mas isso não a preocupa. Sabe também que, sendo águas doces, “são mais pesadas”, ou seja, exige mais esforço nas braçadas.

Uma particularidade para quem pratica este tipo de modalidade é que não se pode utilizar fatos isotérmicos, nem qualquer tipo de equipamento especial, como barbatanas. É uma exigência da organização mundial de águas abertas. Normalmente Mayra utiliza apenas um simples biquíni.

ÁUDIO | Entrevista com a atleta Mayra Santos

“Vai ser um desafio muito bonito”, diz a atleta que conhece a zona, até porque já participou numa prova na Aldeia do Mato.

Tendo em conta o elevado grau de exigência do treino, Mayra apela a que todos a apoiem nesta aventura e que a acompanhem ao longo das 12 horas, seja nas margens da albufeira, seja através das redes sociais, porque “todo o apoio dá mais ânimo”.

São 40 km em que a nadadora não pode sair da água nem se pode agarrar a qualquer apoio, o que exige estar em permanente movimento para se manter à tona da água.

A alimentação é feita à base de barras energéticas, bebidas isotónicas e alguma fruta como banana.

Mayra Santos reside na Madeira e tem uma paixão especial pela natação no mar. Foto: DR

Nome de Mayra já consta do Guiness

Há dois anos, Mayra fez história quando conseguiu nadar os 42 km entre Porto Santo e a Madeira em pouco mais de 12 horas, desafio nunca antes feito por uma mulher.

Depois, conseguiu nadar 30 horas e 7 minutos, de forma ininterrupta, contra a corrente gerada pelas turbinas instaladas dentro de uma piscina de água doce. Valeu-lhe o recorde do mundo e a inscrição do seu nome no livro Guiness.

Já em maio deste ano foi a primeira mulher a fazer a travessia a nado entre a Ponta do Pargo e Porto Moniz, na costa Leste da Ilha da Madeira, uma etapa de 15 km de mar percorridos em 5 horas e 37 minutos, sempre a nadar.

Para dia 21, a nadadora mostra-se entusiasmada com o “treino muito exigente” nas águas do Castelo do Bode. “Estou muito contente de voltar. Vamos fazer história”, exclama.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome