Município de Ourém apresenta fundo de maneio de 7,1 milhões de euros

A Câmara de Ourém tem um fundo de maneio de 7,1 milhões de euros, o que representa uma melhoria em 12 milhões de euros face ao volume negativo que vigorou até 2012, anunciou hoje a autarquia em comunicado.

PUB

Segundo o Relatório de Gestão e Prestação de Contas de 2015, aprovado na última reunião de Assembleia Municipal, o Município apresenta um fundo de maneio (margem de segurança da entidade para satisfazer o exigível a curto prazo) de 7,1 milhões de euros, o que representa uma melhoria em 12 milhões de euros face ao volume negativo que vigorou até 2012, ano que assinalava um montante de 4,9 milhões de euros negativos, refere a nota de imprensa.

Segundo o documento, aprovado por maioria com oito abstenções do PSD e uma da força política “Por Ourém”, a autarquia “obteve um grau de execução do orçamento da receita, na ótica das cobranças líquidas, de 93,4%, valor histórico face ao período comparável 2002/2015, significando que o orçamento de 2015 foi o mais realista desde o início da implementação do POCAL [Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais]”.

PUB

O comunicado refere ainda que o “Município apresenta um resultado orçamental positivo em 10 milhões de euros e uma poupança corrente próxima de 9,9 milhões de euros, montante que permite alavancar as despesas de investimento”.

A Câmara de Ourém apresenta ainda uma dívida total a terceiros na ordem dos 14,5 milhões de euros, excluindo o impacto decorrente da participação no Fundo de Apoio Municipal (FAM). Este resultado evidencia “uma quebra em 23 milhões de euros desde a implementação do Plano de Ajustamento Financeiro, em 2012, o que representa uma quebra em 61%, se efetuada comparação com a dívida total então apurada”.

PUB

Segundo a Direção Geral da Administração Local, o Município de Ourém apresenta um prazo médio de pagamentos de 15 dias (43 dias em 2014).

No âmbito do Plano de Ajustamento Financeiro, o Município “superou as metas previstas para o ano de 2015 no que concerne ao impacto das medidas adotadas na receita e na despesa, em 766,8 mil euros, e, no que diz respeito à dívida a terceiros, depois de considerada a influência potencial das disponibilidades existentes, a superação foi próxima de 3,21 milhões de euros”.

O resultado líquido foi negativo, “num valor próximo de dois milhões de euros”. Porém, “esta circunstância resulta do elevado volume de amortizações face ao exaustivo cadastro e inventário existente, particularmente dos bens de domínio público (rede viária, praças, jardins, etc.) que, em virtude da excessiva dispersão dos aglomerados populacionais na área do concelho, traduzem um elevado ativo municipal nestes domínios”.

Citado no comunicado, o presidente da Câmara de Ourém, Paulo Fonseca, refere que “há coisas que não podem ser esquecidas: o Município de Ourém foi reconhecido como o nono do país que mais baixou a dívida”.

“[Ourém] Paga hoje aos seus fornecedores num prazo curtíssimo, não tem dívidas em atraso e pode aceder aos fundos comunitários sem qualquer hesitação, já que tem uma folga de muitos milhões na sua capacidade de endividamento”, acrescenta.

 

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here