Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Agosto 5, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

“Mudar para a página … anterior”, por Duarte Marques

As primeiras semanas de governação à esquerda vêm demonstrar que o Partido Socialista não aprendeu nada com o passado, não aprendeu nada com o processo que nos levou à bancarrota e ao regresso da troika. Várias medidas foram tomadas a correr, destruindo uma boa para das decisões tomadas pelo anterior governo, sem qualquer razão estratégica ou fundamental, mas apenas por puro populismo.

- Publicidade -

Falo dos feriados, do fim dos exames, do concurso de professores, reversão da TAP e dos transportes do Porto e de Lisboa, ou reversão dos cortes da função pública, e agora as 35 horas da função pública.

Entretanto a produção industrial, começou a cair, o investimento estrangeiro já se reduziu e a confiança das empresas está hesitante. Ontem ficamos a saber que o Governo vai adiar o pagamento de uma tranche ao FMI. Enquanto que o anterior governo antecipou pagamentos para obter juros mais baixos, poupando dinheiro dos contribuintes, António Costa decidiu adiar o pagamento, o que só em juros custará pelo menos 700 milhões de euros.

- Publicidade -

Não havia necessidade, o caminho deveria ser o oposto.

Ora, esta opção de António Costa está diretamente ligada às decisões que tomou, populistas, populares, mas irresponsáveis. Ou seja, para fazer este “brilharete” os contribuintes vão pagar a despesa das medidas em si às quais se somam mais 700 milhões de euros em juros, apenas e só porque o Governo tem pressa em fazer coisas simpáticas mesmo que isso comprometa o nosso futuro, mesmo que isso venha a sair mais caro aqueles que agora são beneficiados.

António Costa, e o seu governo, não estão a virar a página da austeridade, estão sim a regressar à página anterior, à página que terminou com a chegada da troika, que nos trouxe o maior período de austeridade que o país já conheceu.

Duarte Marques, 39 anos, é natural de Mação. Fez o liceu em Castelo Branco e tirou Relações Internacionais no Instituto de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, com especialização em Estratégia Internacional de Empresa. É fellow do German Marshall Fund desde 2013. Trabalhou com Nuno Morais Sarmento no Governo de Durão Barroso ao longo de dois anos. Esteve seis anos em Bruxelas na chefia do gabinete português do PPE no Parlamento Europeu, onde trabalhou com Vasco Graça Moura, José Silva Peneda, João de Deus Pinheiro, Assunção Esteves, Graça Carvalho, Carlos Coelho, Paulo Rangel, entre outros.
Foi Presidente da JSD e deputado na última legislatura, onde desempenhou as funções Vice Coordenador do PSD na Comissão de Educação, Ciência e Cultura e integrou a Comissão de Inquérito ao caso BES, a Comissão de Assuntos Europeus e a Comissão de Negócios Estrangeiros e Cooperação. O Deputado Duarte Marques, eleito nas listas do PSD pelo círculo de Santarém, foi eleito em janeiro de 2016 um dos novos representantes portugueses na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo. É ainda membro da Assembleia Municipal de Mação.
Sócio de uma empresa de criatividade e publicidade com sede em Lisboa, é também administrador do Instituto Francisco Sá Carneiro, director Adjunto da Universidade de Verão do PSD, cronista do Expresso online, do Médio Tejo digital e membro do painel permanente do programa Frente a Frente da SIC Notícias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome