- Publicidade -

“Médio Tejo vale a pena!”, por Rui Serrano

Escrevo este texto no dia em que a minha cidade celebra 861 anos. Uma data histórica e notável nestes novos tempos que vivemos, onde a palavra do momento é resiliência. Acredito que a minha cidade, o meu concelho, a nossa região irá procurar encontrar o espaço e a expressão distinta de todas as outras regiões. Pois é nesta região que passa o maior rio da península ibérica, que “desenha” a sul o limite territorial mas onde tarda em acontecer uma estratégia integrada de valorização e de desenvolvimento sustentável da bacia hidrográfica do Tejo.

- Publicidade -

Eu também reconheço nesta região a existência de uma infra-estrutura que dá de beber a dois milhões e quinhentas mil pessoas, que habitam em vinte e um municípios da maior área metropolitana do País. Além deste precioso recurso hídrico é também estratégica a produção de energia hidroelétrica que se enquadra numa notável paisagem, mas também é certo e sabido que se a Barragem do Castelo de Bode deixar de produzir por um dia fica metade de Portugal às escuras.

Também reconheço nesta região a maior infra-estrutura ferroviária do país onde o investimento previsto na alta velocidade devia alavancar a regeneração urbana deste território e a transformação do Entroncamento num grande HUB da mobilidade em Portugal, à semelhança do que aconteceu com a cidade de Lille, em França.

- Publicidade -

Eu reconheço nesta região um parque tecnológico localizado na porta de entrada do chamado interior do país, que tem criado um sistema potenciador de inovação e de empreendedorismo, a par de uma política de atração à fixação de recursos humanos qualificados, sendo o único Tecnopolo dos 23 existentes em Portugal que tem uma estação de comboios dentro do parque e que deve ser valorizado no seu contexto supra-regional.

Eu reconheço nesta região a existência do único Politécnico ao nível do país que não está instalado numa capital de distrito, onde a aposta na articulação de projetos conjuntos entre o mundo académico e o empresarial  tem permitido acelerar a fixação de empresas na área da inovação tecnológica no território enquanto motor de crescimento económico.

Eu reconheço nesta região irmos ainda a tempo em ser uma alternativa ao Montijo na fixação do Terminal 3 do Aeroporto de Lisboa na infra-estrutura militar existente na região, com uma centralidade e localização geo-estratégica impar. O Terminal 3 em Tancos permitiria gerar uma dinâmica de Hub-logístico na região centro em torno da plataforma ferroviária do Entroncamento e a plataforma terrestre logística na região (Riachos-Torres Novas-Entroncamento). Como também potenciar a vertente turística na região dos milhões de passageiros que visitam Fátima.

Eu conheço na minha região um dos mais importantes locais do mundo de peregrinação e turismo religioso gerando uma energia e dinâmica única a vários níveis sociais e económicos, com a circulação de mais de seis milhões de pessoas por ano e com uma grande margem de crescimento ao nível do turismo cultural e patrimonial.

Eu conheço na minha região o maior conjunto monumental edificado nacional, como Património da Humanidade, que representa o expoente maior da nossa história e arquitetura, atraindo 365 mil visitantes (2019). O escritor Humberto Eco no seu livro “Pêndulo de Foucault” descreveu o Convento de Cristo como o “umbigo do mundo”.

Mas afinal o centro do mundo é o lugar onde estamos, não é?

Médio Tejo vale a pena!

Vive em Tomar, tem 47 anos e é arquitecto e sócio da Modo Associados, com sede no Sardoal, tendo trabalhado uma década na Associação de Desenvolvimento Local Tagus - Ribatejo Interior. Exerceu o cargo de Vice-Presidente da Câmara Municipal de Abrantes entre 2009 a 2013, e de Vice-Presidente e Vereador da Câmara Municipal de Tomar entre 2013 a 2016. Pelo o caminho fez um curso de especialização em Recuperação e Valorização de Conjuntos e Edifícios Históricos no FUNDEC e frequentou o Mestrado em Desenho Urbano no ISCTE, tendo concluído o MBA em Regeneração, Requalificação e Reabilitação Urbana na ESAI em 2014. Atualmente é Doutorando no doutoramento em Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos, no ISCTE-IUL, e Vogal do Conselho Directivo Nacional da Ordem dos Arquitectos. Escreve quinzenalmente, às sextas-feiras, no mediotejo.net

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).