Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo | Utentes da Saúde falam em “tristeza” por saída de Carlos Costa do CHMT (c/ÁUDIO)

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo (CUSMT) lamentou hoje a saída de Carlos Andrade Costa da presidência do Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), cargo que exercia desde 2014, tendo referido ser “com tristeza” que vê partir o gestor para assumir outras responsabilidades no Hospital de Vila Franca de Xira.

- Publicidade -

“Não temos dúvidas nenhumas em afirmar que este Conselho de Administração” (CA) presidido por Carlos Andrade “foi o melhor que passou pelo CHMT”, disse Manuel Soares, tendo destacado o percurso do gestor e a sua capacidade de diálogo permanente. “Com este CA saiu valorizado o CHMT, saíram valorizadas as suas populações e saiu valorizado o Serviço Nacional de Saúde”, vincou, lembrando que a CUSMT apelou várias vezes para a recondução de Carlos Andrade no cargo, o que sucedeu desde que tomou posse, em 2014.

ÁUDIO: MANUEL SOARES, PORTA-VOZ UTENTES DA SAÚDE MÉDIO TEJO:

- Publicidade -

Para o futuro, Manuel Soares defende que o próximo Conselho de Administração “mantenha o diálogo permanente com os utentes e demais entidades” e que “cultive a audição” de modo a auscultar a “sensibilidade das populações”, de modo a “cumprir a missão do CHMT” e tendo em conta as “necessidades dos novos tempos” com reforço de “articulação com organizações sociais e com outros níveis de cuidados de saúde”.

O Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, confirmou hoje que Carlos Andrade Costa aceitou o convite do Ministério da Saúde para assumir a gestão do Hospital Vila Franca de Xira, Parceria Público-Privada (PPP) gerida pela CUF, tendo comunicado a cessação de funções aos funcionários do CHMT, a quem agradeceu e afirmou encerrar “um dos períodos mais gratificantes” do seu percurso profissional de quase trinta anos na gestão de hospitais. 

Com Carlos Andrade Costa seguem também do CHMT para a administração hospitalar de Vila Franca de Xira a enfermeira diretora, Ana Paula Eusébio, e Bruno Ferreira, vogal do CA do CHMT. Do Conselho de Administração permanecem no Centro Hospitalar do Médio Tejo o vogal Carlos Gil e a diretora clínica Ivone Caçador.

Relativamente ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar Médio Tejo, “o processo de nomeação encontra-se em curso de acordo com a tramitação legal usual e será divulgado oportunamente”, deu conta a tutela.

Fonte oficial do CHMT disse que o despacho foi assinado pelo Ministério da Saúde e Ministério das Finanças na terça-feira, dia 18 de maio, e tem efeitos a partir de hoje.

Carlos Andrade Costa foi nomeado presidente do CA do CHMT em julho de 2014 tendo sido sucessivamente reconduzido para as funções que agora cessa naquele centro hospitalar que serve cerca de 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, de Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos de Portalegre.

Nascido em 1965, Carlos Andrade Costa tem Licenciatura em Direito e os Cursos de Administração Hospitalar, de Auditor de Defesa Nacional e Pós-graduação em Gestão de Instituições sem Fins Lucrativos, entre outros, como o de Diretor dos Serviços de Planeamento, Programação Financeira e de Assuntos Bilaterais I, no Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Na Santa Casa de Misericórdia de Lisboa foi administrador-delegado de todos os equipamentos de cariz hospitalar da instituição. Membro de Direção dos Hospitais das Forças Armadas, Carlos Costa foi o único civil a gerir hospitais militares.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome