Médio Tejo | Secretária de Estado do Turismo veio ao terreno conhecer potencial da região (c/vídeo)

Secretária de Estado do Turismo e restante comitiva na visita ao Museu Nacional Ferroviário. Foto: mediotejo.net

Na visita que a Secretária de Estado do Turismo fez à região do Médio Tejo esta quinta-feira, dia 27, Rita Marques reconheceu que há muito potencial em termos de turismo, de empreendedorismo e apoio do poder local. Em declarações ao mediotejo.net, aquele membro do Governo concordou que na região Centro “há muito material para trabalhar e há ótimos empreendedores” que podem contribuir para “colocar o turismo como um dos motores de desenvolvimento económico”.

PUB

Acompanhada pelo Presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro, Pedro Machado, e por representantes de outras entidades ligadas ao turismo, a Secretária de Estado dedicou o dia a tomar contacto com alguns dos produtos e projetos turísticos mais relevantes na região, em curso ou previstos, tendo visitado projetos em Entroncamento, Vila Nova da Barquinha, Torres Novas e Sardoal.

Visita de trabalho da Secretária de Estado do Turismo e do Presidente do Turismo do Centro a projectos de desenvolvimento turístico na nossa região

Publicado por mediotejo.net em Quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

A visita começou logo pela manhã no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento, tendo Rita Marques percorrido os três edifícios onde estão em exposição locomotivas e uma grande variedade de objetos que fazem parte da história da ferrovia em Portugal.

PUB

A Secretária de Estado foi recebida pelo novo Presidente da Fundação do Museu, Manuel de Novaes Cabral e pelo Presidente da Câmara, Jorge Faria, entre outros eleitos e dirigentes.

Depois de percorrido todo o espaço do Museu numa visita guiada pela diretora Ana Fontes, onde não faltaram passagens pelo comboio real e pelo comboio presidencial, realizou-se uma reunião na qual Manuel Cabral e Jorge Faria deram conta da atual situação do Museu com enfoque nas dificuldades financeiras e nos projetos que pretendem concretizar.

“Estabilidade financeira” foi a palavra chave porque sem ela não se consegue dar um novo impulso a um espaço museológico único no país e que registou em 2019 cerca de 35 mil visitantes.

Os responsáveis pelo Museu tentaram sensibilizar o membro do Governo para a necessidade dessa estabilidade, que já foi conseguida em termos de recursos humanos (com a integração dos precários), mas ainda não foi conquistada em termos financeiros.

“Só precisamos que seja definido um quadro legal para essa estabilidade financeira”, afirmou o autarca Jorge Faria que falou numa verba de 1 milhão de euros por ano necessária ao bom funcionamento do Museu. Aproveitou a oportunidade para abordar a ligação que a cidade tem à cultura ferroviária, presente nos bairros habitacionais e nas escolas, por exemplo.

Coube a Maria José Teixeira, diretora do Departamento de Desenvolvimento e Gestão de Projetos, apresentar o Festival Vapor – A Steam Punk, cuja 3ª edição está marcada para de 27 a 29 de setembro. O evento tem registado uma crescente adesão com 4.600 festivaleiros na 1ª edição em 2018 e 7.800 em 2019.

A Secretária de Estado do Turismo defende que o conceito de turismo ferroviário deve ser explorado a três níveis: infraestruturas, animação e promoção internacional do destino turístico. Revelou que existe um grupo de trabalho que está a tratar de identificar iniciativas que mereçam ser apoiadas onde o festival Steam Punk se pode enquadrar.

Do Entroncamento, a comitiva seguiu para Vila Nova da Barquinha onde, no salão nobre da Câmara, foi apresentado pelos promotores e projetistas o projeto do BARK – Bioparque Barquinha.

À chegada a Vila Nova da Barquinha. Foto: mediotejo.net

Antes disso, o Presidente da Câmara deu as boas vindas e aproveitou para elencar as potencialidades turísticas do concelho, como o Castelo de Almourol, o Centro de Interpretação Templário ou o Museu Hermético.

O biólogo João Paulo Rodrigues, promotor do projeto Bark, e Pedro Costa, arquiteto responsável pela equipa projetista, apresentaram o projeto com recurso a uma apresentação multimédia.

Nesta altura o projeto encontra-se ainda a recolher pareceres sobre o estudo de impacto ambiental e a aguardar os pedidos de financiamento, sendo que se mantém 2021 como o prazo de abertura da 1ª fase do bioparque a localizar junto ao parque de negócios.

Os intervenientes realçaram as vantagens de localização do parque, as boas acessibilidades e as potencialidades que representa a nível do turismo da natureza, proteção de espécies em vias de extinção e de investigação.

Em jeito de balanço da visita ao Museu Nacional Ferroviário e à apresentação do projeto Bark, o Presidente do Turismo do Centro destacou a importância de “conhecer em concreto aquilo que é a pujança dos territórios na sua diversidade”.

No Entroncamento foi possível perceber “as potencialidades que estão associadas ao turismo industrial e ao turismo ferroviário” e em VN Barquinha “um projeto completamente diferente, para um público alvo também completamente diferente”, mas em que ambos “potenciam a competitividade e atratividade regional”.

Conhecer “in loco” os projetos, uns já materializados e outros ainda em fase de conceção, “para se perceber as dificuldades que os promotores possam estar a sentir e de que forma podemos ajudar a desenvolver esses projetos” foi o principal objetivo desta visita que ainda contemplava paragens em Torres Novas (enoturismo Enoport Wines), Sardoal (projeto “Casa Grande” ou “Casa dos Almeidas”), Idanha a Nova e Fundão.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here