Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo | Região Centro reforça projetos municipais com 50 milhões de euros

O Programa Centro 2020 aprovou 111 candidaturas nas áreas da regeneração urbana, educação, formação e capacitação, saúde, património (natural e cultural) e áreas empresariais, que representam uma comparticipação de fundos europeus de 36,7 milhões de euros. A CCDR Centro anunciou ainda o reforço do financiamento em 76 candidaturas já anteriormente aprovadas num montante de 13,8 milhões de euros. Entre aprovações e reforços para a sub-região do Médio Tejo vieram mais de 3 milhões de euros.

- Publicidade -

Estes projetos, enquadrados na contratualização com as Comunidades Intermunicipais e em avisos de concurso abertos pela autoridade de gestão, são uma resposta do Centro 2020 “à necessidade de estimular o investimento público, relevante para a retoma económica e social, tendo em conta o contexto provocado pela pandemia covid-19”, lê-se em nota de imprensa.

Isabel Damasceno, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), explica que “os apoios concedidos, que se destinam a investimentos em edifícios escolares, centros de saúde, monumentos classificados, formação nas autarquias, intervenção em espaço público, são determinantes para qualificar os territórios, dotando-os de infraestruturas e projetos que melhoram os serviços à disposição das populações”.

- Publicidade -

Foram assim “alocados mais recursos a áreas prioritárias, como a regeneração urbana com mais 17,7 milhões de euros, a formação e capacitação com mais 9,1 milhões de euros, a educação com mais 7,7 milhões de euros, a saúde com mais 1,4 milhões de euros ou património cultural e natural com mais 7,3 milhões de euros. O reforço de financiamento em projetos aprovados de 13,8 milhões de euros significa um reforço da liquidez dos municípios, uma vez que estamos a criar condições para acelerar a execução dos projetos em curso”, acrescenta.

São beneficiários destes apoios os Municípios (em rede ou parceria), as Comunidades Intermunicipais, e outras entidades previstas na contratualização com as Comunidades Intermunicipais.

Projetos Aprovados no Médio Tejo:

COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO MÉDIO TEJO:

Capacitação e modernização das administrações e dos serviços públicos ‐
Capacitação Administração Pública (FSE) – 570.784,00 euros

MUNICÍPIO DE ALCANENA:

Centro Municipal de Proteção Civil de Alcanena – 8.294,22 euros
Requalificação do Mercado Municipal de Alcanena – 376.734,83 euros

MUNICÍPIO DE CONSTÂNCIA:

PARU ‐ Requalificação do ambiente urbano e equipamentos públicos de utilização coletiva na margem do Zêzere (zona 1)  – 61.726,56 euros

MUNICÍPIO DO ENTRONCAMENTO:

Gabinete de Saúde Oral do Entroncamento – 9.970,62 euros
Requalificação Urbana no Espaço Público, Equipamento e Edificado nos Bairros Sociais ‐ ARU3 – 250.486,69 euros

MUNICÍPIO DE FERREIRA DO ZÊZERE:

Gabinete de Saúde Oral de Ferreira do Zêzere – 25.759,03 euros
Requalificação do Espaço Público em Ferreira do Zêzere – 1ª Fase – 206.732,86 euros

MUNICÍPIO DE MAÇÃO:

Requalificação do Cineteatro – 199.687,50 euros

MUNICÍPIO DE OURÉM:

Eficiência Energética da Piscina Municipal de Ourém – 133.746,92 euros
Reabilitação do Espaço Público do Núcleo Central – 273.258,02 euros

MUNICÍPIO DE SARDOAL:

Requalificação do Externato Rainha Santa Isabel – 156.965,12 euros

MUNICÍPIO DE TORRES NOVAS:

Valorização das Ruínas Romanas de Vila Cardílio – 282.500,00 euros

MUNICÍPIO DE VILA DE REI:

Criação e instalação do Gabinete de Medicina Dentária em Vila de Rei – 22.783,29 euros
2.ª Fase da Expansão da Infraestrutura de Localização Empresarial ‐ Z. I.
do Souto incluindo criação de CIES – 781.450,57 euros.

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome