Médio Tejo | Rede Cultura 2027 é exemplo de “coesão territorial” – Ana Abrunhosa

A Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, marcou presença esta sexta-feira, 23 de outubro, no encerramento do congresso internacional “O Futuro da Nossa Cidade”, uma iniciativa da Rede Cultura 2027. A governante salientou o esforço dos 26 municípios para uma candidatura comum – centrada em Leiria -, a Capital Europeia da Cultura 2027 como sendo um exemplo de “coesão territorial” e do que se pretende em termos de diálogo entre territórios. A sessão da manhã contou ainda, como ponto alto, com uma palestra proferida pelo Cardeal José Tolentino Mendonça, que dissertou em torno do conceito de cidade como polo de diversidade cultural.

PUB

A sessão no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, abriu com a leitura de um poema, em videoconferência, por todos os presidentes dos municípios envolvidos na candidatura, uma das nove a nível nacional a Capital Europeia da Cultura 2027.

Seguiu-se a intervenção do presidente da Câmara de Leiria, Gonçalo Lopes, que manifestou a sua felicidade pelo esforço conjunto com os concelhos da região de Leiria, Médio Tejo e do Oeste, “quase 10% dos concelhos de Portugal continental”, em avançar com a candidatura. “Com os pés bem assentes na Europa e na Europa que desejamos ser”, comentou.

PUB

Ministra da Coesão encerra congresso da Rede Cultura 2027, que integra Ourém, Alcanena, Torres Novas e Tomar na luta pela capital da cultura

Publicado por mediotejo.net em Sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Já o presidente do Congresso, Luís Filipe Castro Mendes, considerou ser esta uma “rede de trocas e partilhas” e o congresso “um ato de cultura”. “É a trabalhar juntos num universo de cultura que resistimos”, frisou.

PUB

Ana Abrunhosa começou por afirmar que “para além de promover as relações entre comunidades, a cultura promove também o desenvolvimento local, regional e nacional. É a cultura que nos engrandece, é a cultura que nos agiganta”. Como “bem essencial”, continuou, a cultura “é um fator determinante para a coesão dos nossos territórios”, pelo que o modelo da Rede Cultura 2027 é algo que “gostaríamos de estimular”.

“É em si um exemplo de coesão territorial”, frisou, juntando municípios, instituições e diversas entidades. “Estarem juntos é um motivo de orgulho”, referiu, sublinhando a importância das regiões desenvolverem entre si projetos culturais para valorizar os territórios.

A Ministra da Coesão Territorial abordou ainda o impacto da pandemia no setor cultural, comentando algumas das lições que foram aprendidas neste período. Concluiria a afirmar que os 26 municípios deram um “exemplo ao país. Um bom exemplo de coesão e participação e interação”, pela dignificação dos seus territórios.

Tolentino Mendonça era a presença mais aguardada na abertura. O teólogo abordou a importância do meio urbano na diversidade cultural Foto: mediotejo.net

A finalizar a sessão da manhã interveio o Cardeal Tolentino Mendonça, com uma palestra sobre o tema “Ao encontro das cidades futuras”. “As cidades não se concebem sem a pessoa humana”, começou por afirmar, partindo do conceito para explorar a ideia do meio urbano como potenciador da diversidade.

“Caminhar ao encontro das cidades futuras é pensar o futuro”, refletiu, uma vez que estas continuam a ser “uma rede de relações”. “Precisamos de escutar as cidades”, continuou, “aprender a escutá-las melhor”.

O escritor e teólogo deixou alguns desafios a estas cidades do futuro, como “redescobrir o bem comum”, “redescobrir a identidade cultural”, ou “redescobrir a sustentabilidade ecológica”. “Todos estamos ligados”, concluiu.

PUB
Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).