Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo quer fazer da futura Estação Náutica uma referência na região Centro do país (C/VIDEO)

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) quer que a Estação Náutica que está a ser projetada para a albufeira de Castelo do Bode se constitua como o “centro das atividades náuticas do Centro de Portugal”.

- Publicidade -

Cerca de 70 entidades públicas e privadas que operam na albufeira de Castelo do Bode, entre as quais cinco municípios e a Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT), viram esta semana ser aprovada uma candidatura para se certificarem como “Estação Náutica”, certificação que exige que dentro da área da albufeira se cumpram certas normas de qualidade e segurança, e que cria uma entidade que vai trabalhar em conjunto em prol de questões comuns, como a promoção turística e o planeamento do território.

A assinatura do protocolo do conselho da Estação Náutica e primeira reunião decorreu na quarta-feira, 31 de outubro, na Barco de São Cristóvão, em Ferreira do Zêzere.

- Publicidade -

Foto: mediotejo.net

A candidatura partiu da CIMT, tendo sido operacionalizada pelo Fórum Oceano – Associação da Economia do Mar, uma instituição de utilidade pública que atribui as certificações, mediante avaliação com outras entidades.

O conceito “Estação Náutica”, conforme explicou o representante do Fórum Oceano, António José Correia, vai buscar inspiração ao modelo francês e espanhol e traduz-se numa entidade de promoção turística da atividade náutica, organizada por meio da valorização dos recursos existentes num território.

Primeira reunião do Conselho náutico da CIMT. Maria do Céu Albuquerque explica que se quer certificar a Estação Náutica de Castelo de Bode a fim de aumentar o investimento no wake board. Aborda ainda a importância de se discutir o planeamento em torno da barragem

Publicado por mediotejo.net em Quarta-feira, 31 de Outubro de 2018

A certificação obriga as entidades envolvidas, sob coordenação da CIMT, a promoveram todo um conjunto de atividades e meios, como acessibilidades, segurança, qualidade e sustentabilidade ambiental, oferta náutica múltipla, agenda náutica anual, etc. Neste âmbito há um conselho, que envolve as 70 instituições envolvidas, que discute as linhas orientadoras.

Para além da CIMT e dos municípios de Tomar, Abrantes, Sertã, Ferreira do Zêzere e Vila de Rei, integram o conselho náutico da Estação Náutica de Castelo do Bode hotéis, restaurantes, agentes de viagens, empresas e associações de dinamização turística, comércio de produtos locais, associações empresariais e entidades ligadas ao ensino. “A Estação Náutica de Castelo do Bode é das mais exemplares porque é a que tem mais parceiros”, afirmou António José Correia.

“Este é o início de um processo. Muito trabalho está por fazer”, constatou Miguel Pombeiro, secretário executivo da CIMT, que descreveu a Estação Náutica como um “centro dinamizador de atividades económicas que possa impulsionar a náutica no território”.

O objetivo, admitiu, é tornar a Estação uma referência no centro de Portugal, dado o potencial existente ao nível das águas do rio Zêzere.

Em declarações aos jornalistas, a presidente da CIMT, Maria do Céu Albuquerque, explicou que esta é a certificação de uma entidade que se pretende que seja um meio para atingir um fim. “É um ativo importante para a promoção turística”, dado que exige um conjunto de requisitos para manter a certificação. “Com isso conseguimos promover o território”, nomeadamente o wakeboard, oferta que pretende ser diferenciadora da região.

A criação desta Estação Náutica pretende ainda ter uma voz dentro das instituições de planeamento, de modo a que o garante da qualidade da água não crie constrangimentos de tal ordem que impeçam o desenvolvimento da zona. Maria do Céu Albuquerque colocou como preocupações o acesso ao plano de água, o licenciamento da construção ilegal ao longo da albufeira e o garante de um conjunto de requisitos para quem deseje investir na zona.

“Nós defendemos que haja critérios e normas, mas que sejam exequíveis e não um impedimento para o desenvolvimento da região”, comentou.

Maria do Céu Albuquerque, presidente da CIMT. Foto: mediotejo.net

De recordar que em julho o Governo determinou, via publicação em Diário da República, a elaboração do Programa Especial da Albufeira de Castelo do Bode (PEACB) para substituir o desatualizado Plano de Ordenamento da Albufeira de Castelo do Bode (POACB), datado de 2003. Encontram-se a decorrer os 18 meses para que a Agência Portuguesa do Ambiente elabora este PEACB, documento que tem de ser sujeito a avaliação ambiental.

O objetivo é, refere o despacho, criar-se “um instrumento de apoio à gestão da albufeira e da zona terrestre de proteção envolvente, assim como de articulação entre as diferentes entidades com competência na área de intervenção”.

O termo “náutica” refere-se à arte de navegar e está hoje associado às atividades ligadas a embarcações aquáticas ou praticadas em água.

 

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome