Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Médio Tejo | Projeto “Transporte a Pedido” finalista de concurso da Comissão Europeia

O projeto “Transporte a Pedido”, implementado em 13 municípios do Médio Tejo, é finalista dos Prémios RegioStars, um concurso da União Europeia que premeia projetos financiados por fundos europeus que sejam de excelência.

- Publicidade -

Atualmente este serviço oferece 78 circuitos, 1400 paragens, e é utilizado, mensalmente, por cerca de 1200 passageiros, mostrando-se assim uma alternativa mais sustentável a nível ambiental e económico, contribuindo ainda para a inclusão social.

O projeto foi criado, em 2013, pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT), com o intuito de “aumentar a cobertura da rede de transportes coletivos” existente na região, sendo o  “Transporte a Pedido” o único projeto português a integrar a lista de 25 projetos finalistas do RegioStars.

- Publicidade -

Os prémios RegioStars contemplam os melhores projetos da política de coesão em cinco categorias, nomeadamente “Europa inteligente: Aumentar a competitividade das empresas locais num mundo digital”, “Europa verde”: Comunidades verdes e resilientes em meio urbano e rural”, “Europa justa: Fomentar a inclusão e a antidiscriminação”, “Europa Urbana: Promover sistemas alimentares verdes, sustentáveis e circulares em áreas urbanas funcionais” e “Reforçar a mobilidade verde nas regiões”.

Atualmente, o serviço “Transporte a Pedido” está em operação em todos os 13 municípios do Médio Tejo, abrange as populações de Abrantes, Alcanena, Constância, Ferreira do Zêzere, Entroncamento, Mação, Ourém, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha.

À semelhança do transporte coletivo regular, o ‘Transporte a Pedido’ tem circuitos, paragens e horários definidos. No entanto, os serviços de transporte a pedido distinguem-se do transporte regular, porque o cliente é que desencadeia a viagem, através do seu pedido para uma central de reservas.

O Transporte a Pedido no Médio Tejo está entre os 214 projetos, que apresentaram as suas candidaturas sendo um dos 25 finalistas ao prémio. Foto: CIM

Em comunicado, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional da Região Centro (CCDRC), que cita a presidente, Isabel Damasceno, refere que este prémio “reconhece a qualidade de um projeto pioneiro, inovador e sustentável”.

“É com orgulho que nos mantemos, pelo sexto ano consecutivo, na lista de finalistas de projetos do concurso RegioStars. Este projeto é finalista na categoria do tema do ano ‘Reforçar a mobilidade ecológica nas regiões’, o que revela a grande preocupação da região centro em facilitar o desenvolvimento de soluções eficientes em territórios de menor densidade populacional”, sublinhou.

Por seu turno, a presidente da CIM do Médio Tejo, Anabela Freitas, também citada na nota, realçou a “mais-valia” do projeto, uma vez que é “uma alternativa num território que apresenta fragilidades ao nível do transporte público regular de passageiros”.

“Este serviço de transporte entre as localidades e respetivas sedes de freguesia e de concelho tem contribuído para a qualidade de vida dos nossos cidadãos, aproximando-os dos serviços essenciais. É um projeto que abrange praticamente todo o território do Médio Tejo e sobre o qual queremos continuar a investir e a apostar”, apontou.

Os vencedores do concurso RegioStars 2021 vão ser conhecidos em 02 de dezembro.

O Transporte a Pedido é um dos 25 finalistas ao prémio da Comissão Europeia. Foto: CIM

O Transporte a Pedido é um serviço de transporte público em que o passageiro tem que efetuar previamente a reserva da viagem de modo a assegurar a sua viagem uma vez que as viaturas só se deslocam às paragens que tiverem reservas.

A votação para eleger o vencedor está aberta e para se proceder à mesma basta entrar no site https://regiostarsawards.eu/  e no canto superior de cada projeto clicar. Os vencedores do concurso são conhecidos a 2 de dezembro de 2021.

c/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome