Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Maio 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo | Praias fluviais da região a concurso para galardão Praia do Ano

Está a decorrer a votação para o galardão Praia do Ano, estando no concurso 22 praias fluviais da região, nomeadamente dos municípios de Abrantes (Aldeia do Mato e Fontes); Ferreira do Zêzere (Lago Azul); Gavião (Alamal e Ribeira da Venda); Mação (Carvoeiro, Ortiga e Cardigos); Ourém (Agroal); Sertã (Marmeleiro, Ribeira Grande, Trízio e Troviscal); Tomar (Alqueidão, Alverangel, Montes e Vila Nova); e Vila de Rei (Bostelim, Fernandaires, Pego das Cancelas, Penedo Furado e Zaboeira).

- Publicidade -

O Guia das Praias Fluviais (disponível em postos de turismo, unidades hoteleiras e para mais locais, consultar: https://praiasfluviais.pt/consulte-aqui-onde-encontrar-o-guia-por-concelho) distingue anualmente as melhores zonas de banhos do interior de Portugal. O critério é simples e democrático, vencem as praias mais votadas pelo público no conjunto de plataformas de votação.

São elegíveis para votação todas as praias fluviais de Norte a Sul do País classificadas pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente e uma seleção das melhores zonas balneares não classificadas de Portugal – identificadas na lista com a designação (NC). A votação decorre até 30 de outubro.

- Publicidade -

Paralelamente, o Guia das Praias Fluviais atribui anualmente o galardão Praia Fluvial Revelação às novas zonas balneares interiores que mais se destacam na sua estreia pela qualidade das infraestruturas apresentadas, oferta de serviços disponibilizados e especialmente pelo cuidado e atenção na preservação ambiental do projeto.

Para votar basta aceder ao site http://praiasfluviais.pt/votacao, efetuar o registo através da rede social Facebook ou da caixa de correio da Google – Gmail  – e de seguida selecionar a praia de que mais gosta.

 

 

A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome