Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo | Onze novos médicos chegaram à região, 4 deles para Abrantes (C/VIDEO)

Abrantes foi o município que mais médicos de família recebeu de um total de 11 profissionais que vieram exercer recentemente para a região do Médio Tejo. Duas médicas foram alocadas ao Tramagal, vila que se debatia há vários anos com o problema, e mais dois também já iniciaram funções em Rossio e na Bemposta. Abrantes (4 médicos) Ourém, Torres Novas (2), Ourém (1) e Constância (1) foram os municípios que receberam os novos profissionais. Na região, cerca de 8% dos utentes (cerca de 19 mil) continuam sem médico de família, sendo agora em Tomar o maior número de utentes sem médico atribuído, como referiu ao mediotejo.net a diretora executiva do ACES Médio Tejo, Sofia Theriaga.

- Publicidade -

- Publicidade -

De um total de cerca de 226 mil utentes, atualmente estão cerca de 19 mil ‘a descoberto’, ou seja, faltam 10 médicos no ACES Médio Tejo para cerca de 8% da população. A diretora executiva do ACES Médio Tejo tem a expectativa que o novo concurso da 2ª fase para admissão de médicos de família, que vai abrir em breve, permita contratar novos médicos para a região. “Em 2014, eram cerca de 40 mil os utentes sem médico de família, depois reduziu para cerca de 30 mil e hoje são menos de 20 mil”, observou Sofia Theriaga.

“Finalmente conseguimos colocar médicos especialista medicina geral e familiar na unidade do Tramagal. Há muito ansiávamos por isso e os utentes também” disse Sofia Theriaga, tendo acrescentado que o ACES Médio Tejo conseguiu preencher as 12 vagas “logo no primeiro dia. Só uma colega é que desistiu. Entraram 11 colegas médicos”, disse a responsável que contabilizou ainda perto de 19 mil utentes sem médicos de família.

- Publicidade -

Segundo a diretora executiva do ACES Médio Tejo, a entrada destes profissionais ”permite-nos baixar o número de utentes sem médicos de família para cerca de 19 mil. Cerca de 8% e tendo em conta que em 2014 chegámos a ter 40 mil utentes sem médico de família. Portanto, temos menos de metade, acho que estamos no bom caminho, e estamos a desenvolver todos os esforços para chegar a zero. Com o exame da segunda época abrirá concurso e pensamos ter as vagas preenchidas”, perspetivou.

“Tomar é que está na situação pior com cerca de 4500 utentes (31%) sem médico de família. Já passou tempos muito bons mas neste momento é o concelho que está em piores condições. Em Abrantes, que tem liderado a lista do número de utentes ‘a descoberto, onde chegaram a estar 14 mil utentes sem médico de família, a situação “já está mais estável”. Na UCSP de Abrantes, de um total de 23 307 utentes, 3 907 estão sem médico (14%).

Para além da USCP de Tomar (com 4 424 utentes a ´descoberto’, as situações mais complicadas continuam a fazer-se sentir na UCSP de Sardoal (3 442 utentes), USCP do Entroncamento (1 732 utentes) e UCSP de Ferreira do Zêzere (1 521) e que contribuem com as maiores ‘fatias’ para o tal ‘bolo’ dos 8% da população atualmente sem médico atribuído (18 959 pessoas).

“É um milagre ainda não termos fechado nenhuma unidade de saúde.  Temos procurado nos locais mais distantes, colocado horas de prestação de serviços médicos. Temos prestado os cuidados aos utentes que têm mais dificuldades em se deslocarem, quer física quer economicamente”, salientou a responsável.

“Quero agradecer a compreensão dos utentes em diversos locais, assim como agradecer a compreensão dos presidentes de junta que nos têm apoiado e permitido o trabalho conjunto no nosso agrupamento. Tem havido um trabalho de parceria muito importante”, sublinhou.

A entrevista terminou onde começou. Na freguesia de Tramagal. Concelho de Abrantes. “Tramagal recebeu agora duas novas médicas. Os utentes devem dirigir-se à unidade e devem inscrever-se no Tramagal”, apelou, tendo referido “não poder garantir” que estas médicas permaneçam no Tramagal.

“Nós temos procurado criar todas as condições para que se sintam cá bem.  O apoio do município também é bastante importante para criar condições para que se sintam bem, uma vez que estão longe da terra natal”, observou.

O ACES Médio Tejo tem 2.706 quilómetros quadrados e abrange 11 municípios com cerca de 226 mil utentes servidos atualmente por 124 médicos (mais um médico cubano), incluídos 4 médicos de saúde pública e 197 enfermeiros.

O ACES MT é composto pelos municípios de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome