Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sábado, Setembro 18, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo | Novos médicos especialistas reforçam Cardiologia e Pediatria no CHMT

O Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) reforçou o seu quadro de médicos com a chegada de três novos especialistas. A conclusão do procedimento concursal permitiu a contratação de Ana Sofia Vaz e Sofia Dias da Costa, ambas especialistas em Pediatria, e de João Santos Ferreira, especialista em Cardiologia.

- Publicidade -

- Publicidade -

Os três novos especialistas estiveram já reunidos com o Conselho de Administração numa sessão de acolhimento que pretendeu, sobretudo, dar as boas-vindas a estes jovens médicos especialistas, dá conta o CHMT, em nota de imprensa.

Segundo o centro hospitalar, “este reforço e valorização do quadro de Recursos Humanos do CHMT, tem um forte impacto na prestação de cuidados de saúde aos cidadãos e acompanha a dinâmica que está  a ser implementada nas três Unidades do Centro Hospitalar do Médio Tejo, com o foco na continua melhoria do atendimento à população” abrangida pelas três unidades hospitalares do CHMT.

- Publicidade -

“O Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE, continua, igualmente, a assumir um importante papel enquanto empregador da Região, sendo uma mais-valia também para a economia local, quer através da fixação de jovens famílias, quer com a criação de postos de trabalho diferenciados e formação também diferenciada”, pode ainda ler-se na mesma informação.

Constituído pelas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, separadas geograficamente entre si por cerca de 30 quilómetros, o CHMT funciona em regime de complementaridade de valências, abrangendo uma população na ordem dos 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, de Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos de Portalegre.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome