Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo | Festival Manobras anda por Abrantes e Tomar com espetáculo inesperado

A segunda edição do Manobras – Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas continua esta semana e as propostas para a região do Médio Tejo são nos concelhos de Tomar este sábado, dia 6, e de Abrantes no domingo, dia 7. O primeiro recebe a vídeo-instalação “Levada Sem Fim”, de António-Pedro, e o espetáculo de rua “Sómente”, da companhia luso-alemã Teatro Só, passa por ambos.

- Publicidade -

Os elementos multimédia juntam-se às marionetas e formas animadas com a inauguração do trabalho artístico de António-Pedro no Complexo Cultural da Levada, em Tomar, que partilha, às 15h00, 16h00 e 17h00, histórias de tempos idos da Levada num ambiente muito peculiar. Histórias, estórias e memórias que são acompanhadas na tarde deste sábado por uma visita guiada ao local e cujos bilhetes custam €3,00.

Neste dia, Tomar também recebe o espetáculo “Sómente”, uma proposta inesperada na programação da segunda edição do Manobras surgida no seguimento do cancelamento do espetáculo “No Ateliê”, da companhia belga Tof Théâtre, nos municípios de Sobral de Monte Agraço e Tomar, e da alteração da data em Pombal. Na cidade templária integra a visita-percurso que inclui visita guiada ao Complexo Cultural da Levada e a vídeoinstalação “Levada Sem Fim”, tendo como ponto de partida a Rua Serpa Pinto.

- Publicidade -

É na entrada da Corredoura que o cenário e as personagens em andas deste espetáculo de entrada gratuita partilham as emoções de um homem que apenas envelheceu no corpo, mas não na mente nem no coração.

Uma reflexão sobre a solidão e o envelhecimento sem recurso às palavras, nem à amargura, que, no domingo, é apresentada no Parque Urbano de Abrantes / S. Lourenço, às 11h00 e 15h00, também com entrada gratuita.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome