Médio Tejo | Como um livro na voz dos alunos deixou sem palavras quem o escreveu

A escritora Evelina Gaspar ouvindo os alunos que leem o seu romance na Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura, no Sardoal. Foto: Paulo Jorge de Sousa

Sentada na plateia, discreta como sempre é, a escritora Evelina Gaspar permanecia anónima entre as dezenas de pessoas que assistiam à final da Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura, que decorreu na tarde de segunda-feira, 29 de abril, no Centro Cultural Gil Vicente, no Sardoal. Três alunos do Secundário liam excertos do seu livro “na massa do sangue”, vencedor da 1ª edição do Prémio Literário do Médio Tejo, em 2017, na categoria de Romance.

PUB

A autora ia preparada para ouvir as suas palavras na voz daqueles jovens, mas não esperava que eles, ignorando a sua presença, falassem do livro de forma tão apaixonada. Tentando manter-se “invisível”, engolia as lágrimas, e talvez se tenha deixado afundar mais um pouco na cadeira quando Paulo Condessa, escritor e mediador de leitura em escolas de todo o país, elevou ao cubo todos os elogios anteriormente proferidos.

Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura, no Sardoal. Foto: Paulo Jorge de Sousa

O seu livro era entre os vários que os 89 alunos de todos os concelhos do Médio Tejo foram convidados a ler, acabando por ser o escolhido para as leituras em palco dos alunos do Secundário, do 10º, 11º e 12º anos. Nos outros ciclos de ensino foram escolhidos livros de Ana Meireles, Sophia de Mello Breyner Andresen e Afonso Cruz.

PUB

A iniciativa de propor um livro de uma autora da região (cresceu em Tomar e reside em Vila Nova da Barquinha), e que descreve também a vida das gerações anteriores nestes concelhos, partiu de Dulce Figueiredo, diretora da Biblioteca Municipal do Sardoal. “É um livro mais adulto, e talvez mais difícil de ler, mas fazia sentido integrar um livro desta qualidade, premiado no Médio Tejo. Os alunos gostaram muito, elogiaram a escrita, o ‘início impactante’, bem como a importância da mensagem, e recomendaram a sua leitura a todos os outros colegas”, diz.

O júri da Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura: Maria Luísa Oliveira, Margarida Teodora e José Martinho Gaspar. Foto: Paulo Jorge de Sousa

Só no final da sessão – em que ficaram escolhidos os oito alunos representantes do Médio Tejo na final nacional que decorrerá em Braga, a 25 de maio -, é que um dos membros do júri revelou a presença da escritora, chamando-a ao palco.

PUB
A escritora Evelina Gaspar, na Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura, no Sardoal. Foto: Paulo Jorge de Sousa

Evelina Gaspar agradeceu, com um nó na garganta, e pouco mais disse, pois estava demasiado emocionada. Estas são as palavras que lhe faltaram no momento, e que escreveu na manhã seguinte, a pedido do mediotejo.net.

“Escreve-se porque se não consegue resistir a esse ímpeto que nos estimula a seguir o fio misterioso das palavras em busca de um fim que se desconhece e isolamo-nos de certa maneira do mundo, porque escrever um romance é um processo profundamente solitário que exige entrega e disponibilidade, e mesmo a obediência a algo que se desconhece e que nos subtrai com frequência do convívio com os outros. Fazemo-lo sem saber se essas palavras atrás das quais nos deixamos conduzir, muitas vezes longe do sol, fechados em casa, chegarão a ver a luz do dia. Até que acaba por chegar o momento em que damos, com alívio, o romance enfim por terminado e com alegria vemos que é publicado e bem recebido e julgamos que fizemos o mais difícil. Conseguimos.

Mas um dia colocam-nos perante um grupo de alunos, jovens tão luminosos como aqueles que albergamos em casa e que cingimos ao seio desde que nasceram e ouvimos alguns deles, insuspeitos, ler em voz alta as palavras que parimos nesse desamparado sítio ermo que é o lugar da criação. Dizem de sua justiça, o que pensam do texto e das personagens, sem saberem que eu os escuto, interessadíssima, da segunda fila, emocionada

E quando alguém desvenda a minha presença e me convidam a dizer algumas palavras sobre o romance, sobre o prémio literário, eu, perante aqueles rostos radiosos de juventude cheios de uma tão bela esperança inocente no futuro e nas promessas que este encerra deixo-me tomar pela comoção e calo-me embargada pelas lágrimas. E não digo, como devia ter dito, que continuem sempre a ler pela vida fora, porque os livros não são nenhuns ídolos de pés de barro e têm o potencial de nos tornarem melhores pessoas, mais humanos, e que o que vale mesmo é a força transformadora dos livros e não a fragilidade de quem os escreveu. Viva o livro.”

Evelina Gaspar na Fase Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura. Foto: Paulo Jorge de Sousa

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anteriorSardoal | Autarquia investe em requalificação do mercado municipal
Próximo artigoAlcanena | Atividade de limpeza da praia dos Olhos de Água este sábado
Sou diretora do jornal mediotejo.net e da revista Ponto, e diretora editorial da Médio Tejo Edições / Origami Livros. Sou jornalista profissional desde 1995 e tenho a felicidade de ter corrido mundo a fazer o que mais gosto, testemunhando momentos cruciais da história mundial. Fui grande-repórter da revista Visão e algumas da reportagens que escrevi foram premiadas a nível nacional e internacional. Mas a maior recompensa desta profissão será sempre a promessa contida em cada texto: a possibilidade de questionar, inquietar, surpreender, emocionar e, quem sabe, fazer a diferença. Cresci no Tramagal, terra onde aprendi as primeiras letras e os valores da fraternidade e da liberdade. Mantenho-me apaixonada pelo processo de descoberta, investigação e escrita de uma boa história. Gosto de plantar árvores e flores, sou mãe a dobrar e escrevi quatro livros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here