Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Médio Tejo: Colégios de Fátima continuam a ser financiados, Instituto Vaz Serra perde contrato

O Ministério da Educação revelou esta sexta-feira, 20 de maio, quais os colégios com contrato de associação que não vão ser mais financiados em aberturas de ciclo. Nenhum dos três colégios de Fátima integra a lista. No Médio Tejo, apenas a Sertã perde contrato de associação, pelo Instituto Vaz Serra.

- Publicidade -

A notícia foi avançada pelo jornal digital Observador cerca das 21h30. Dos 39 colégios que não vão poder candidatar mais turmas a financiamento a partir do 5º, 7º e 10º anos, não estão incluídos o Centro de Estudo de Fátima, o Colégio de São Miguel e o Colégio do Sagrado Coração de Maria, instituições escolares de Fátima.

Segundo o despacho do Ministério da Educação, contemplando o conjunto dos três colégios, Fátima terá direito a abrir 12 turmas de 5º ano, 12 turmas de 7º ano e 9 turmas de 10º ano no próximo ano letivo, as mesmas do ano que finda agora.

- Publicidade -

A secretária de Estado da Educação, Alexandra Leitão, já havia declarado que as grandes redundâncias em termos de escolas com contratos de associação junto de escolas públicos se verificavam sobretudo no Norte do país e Centro, mais concretamente em Coimbra. Na região de Lisboa e Vale do Tejo, afirmou ao jornal Diário de Notícias, há inclusive alguma carência de rede pública.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

3 COMENTÁRIOS

  1. Acho bem que os contratos com os colégios de Fátima se mantenham visto que naquela cidade não há ensino público, o que não se compreende, mas isso são contas de outro rosário. Porém, essses mesmos colégios que andam a tirar estudantes ao ensino público em várias cidades e vilas nas redondezas, a mais de 20 ou 30 kms onde há ensino público e vão busa-los a suas casas, isso é que deveria acabar e já. Se calhar os responsáveis do Ministério não sabem, não se lembram ou não querem saber. E isso não é bom.

  2. Senhor Carlos Pinheiro,
    Olhe que não é bem assim. Verifique melhor as suas fontes de informação. O Colégio de S. Miguel, por exemplo, não me consta que vá buscar qualquer aluno a casa. Bom fim de semana.

  3. na minha altura o cef ia buscar alunos à zona de ourém, inclusive a torres novas e o pior é que quem pagava isso tudo era o estado porque esses alunos tinham subsídio e nem sequer pagavam o transporte…
    isso também acho mal, mas para os alunos da freguesia de fátima faz falta

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome