- Publicidade -

Médio Tejo | CIM vai investir 1,8 ME em sistema de bicicletas para uso público na região (c/ÁUDIO)

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Médio Tejo vai investir 1,8 milhões de euros num sistema intermunicipal de bicicletas para uso público para instalar em 9 dos 13 municípios da região. Com este projeto, “pretende-se dotar o Médio Tejo de um serviço público que incentive a mobilidade clicável na região e que contribua para a descarbonização”, tendo a CIM perspetivado que o arranque do serviço “ocorra ainda durante o ano de 2021”.

- Publicidade -

A CIMT do Médio Tejo tem sede em Tomar e agrega 13 municípios, sendo este projeto destinado a nove concelhos da sub-região, envolvendo, nomeadamente, Alcanena, Constância, Entroncamento, Mação, Ourém, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha, disse ao mediotejo.net o secretário executivo da CIM, Miguel Pombeiro, por ocasião do lançamento do concurso público para adjudicação do projeto.

ÁUDIO MIGUEL POMBEIRO, SECRETÁRIO EXECUTIVO CIM MÉDIO TEJO:

- Publicidade -

Em nota de imprensa, a CIM do Médio Tejo, justificando este projeto de investimento, destaca “estar atenta” às “questões ambientais e à importância da descarbonização da região”, sendo este sistema intermunicipal de bicicletas partilhadas “mais um passo significativo nestes âmbitos”.

Tendo feito notar que a “adjudicação fica condicionada à apreciação de uma candidatura apresentada pela CIM ao Programa Operacional Regional do Centro 2020”, a CIM do Médio Tejo diz ter iniciado um “estudo estruturado sobre a rede de percursos clicáveis intermunicipal, com o objetivo de identificar os percursos pré-existentes e com o objetivo de definir novos percursos, que possibilitem a ligação entre todas as sedes de concelho e que sejam compatíveis com a utilização da bicicleta”.

O estudo “surge no âmbito do Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes do Médio Tejo” e tem uma “estratégia assente no desenvolvimento da mobilidade clicável e que prevê um conjunto de medidas de intervenção e de promoção dos modos suaves”.

No global, segundo a CIM, “nesta primeira fase do projeto, prevê-se a aquisição de 251 bicicletas elétricas e 45 bicicletas convencionais”, sendo “implementadas no território 62 estações de parqueamento e carregamento”, distribuídas por nove concelhos do Médio Tejo.

Com este projeto, “pretende-se dotar o Médio Tejo de um serviço público que incentive a mobilidade clicável na região e que contribua para a descarbonização”, tendo a CIM perspetivado que o arranque do serviço “ocorra ainda durante o ano de 2021”.

Anabela Freitas, presidente da CIM do Médio Tejo, evidencia, em nota de imprensa, que “esta região está desperta para as problemáticas da atualidade, nomeadamente, para todas as questões que dizem respeito às Alterações Climáticas. E, neste sentido, esta CIM tudo deve fazer para dar o seu contributo na minimização dos danos ambientais já provocados no mundo inteiro”.

“São estas ações, a que se juntam outros projetos que temos no âmbito das Alterações Climáticas, que nos tornam uma região mais consciente, desperta e ativa nas boas práticas ambientais. Ações que têm como foco a qualidade de vida dos nossos cidadãos”, finaliza a presidente da CIM Médio Tejo, e que também preside ao município de Tomar.

O prazo do concurso publicado em Diário da República para adjudicação da empreitada terminou a 12 de fevereiro, estando o júri em fase de análise das propostas.

Na descrição do objeto do contrato a celebrar com a CIM do Médio Tejo está a “aquisição de bens e serviços referentes ao planeamento, implementação, gestão, operação e avaliação do sistema intermunicipal de bicicletas partilhadas para uso público no Médio Tejo – 1ª fase”, sendo o preço base do procedimento para “Aquisição de Bens Móveis” de 1.850.000.00 euros”.

Com uma população na ordem dos 250 mil habitantes, a CIM Médio Tejo é composta pelos municípios de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha.

C/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).