- Publicidade -

Sábado, Dezembro 4, 2021
- Publicidade -

Médio Tejo | ACES tem quase 30 mil utentes sem médico de família

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Médio Tejo tem 225.000 utentes inscritos e frequentadores, sendo que 28.855 utentes aguardam a atribuição de médico de família, correspondendo a 13% do total de inscritos. A situação mais complicada centra-se em Torres Novas, mas a falta de médicos de família é transversal a toda a região.

- Publicidade -

- Publicidade -

Contactado pelo mediotejo.net, o ACES Médio Tejo diz que esta situação “resulta sobretudo de aposentações ocorridas já durante este ano e de exonerações”. Durante este ano, refere, o ACES Médio Tejo confrontou-se já com a “saída de 11 médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar, estando ainda a decorrer vários pedidos de aposentação que aguardam decisão da Caixa Geral de Aposentações”.

As aposentações, nota, “têm ocorrido em praticamente todos os concelhos da área de abrangência deste ACES”, sendo que esta situação “poderá ser atenuada com a colocação de médicos especialistas, no concurso anual de ingresso na carreira médica”.

- Publicidade -

Até lá, o ACES Médio Tejo tem “tentado minimizar o impacto negativo da saída destes médicos com o recurso à contratação de prestação de serviços médicos”.

Número de utentes sem médico de família agrava-se em 2021 e atinge os 900 mil

O número de utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) sem médico de família aumentou em 2021 e atinge já os 900 mil cidadãos, reconheceu este mês a ministra da Saúde, numa audição regimental na Assembleia da República.

“Relativamente ao problema da cobertura de médicos de família, de facto, em abril a cobertura de utentes inscritos com médico de família situava-se nos 91%, correspondendo a cerca de 900 mil utentes sem médico de família”, começou por dizer Marta Temido aos deputados da Comissão Parlamentar de Saúde.

A governante avançou com a explicação para o agravamento da situação, sem esconder que é um tema em que o executivo tem de “trabalhar para inverter a tendência”.

“A situação agravou-se em abril porque se continuam a verificar – e eram previstas – aposentações. Só este ano aconteceram mais de 100 aposentações de especialistas de medicina geral e familiar, mas, por outro lado, temos também mais 59 mil inscritos nos cuidados de saúde primários só neste quadrimestre. Muitos utentes cuja inscrição estava inativa, porque não eram utilizadores e reativaram a sua inscrição com a procura de cuidados de saúde e de vacinação”, justificou.

Marta Temido salientou ainda, em relação aos cuidados de saúde primários (CSP), que até ao final de junho serão colocados “recém-especialistas em medicina geral e familiar que se apresentaram a exame em abril e que são indispensáveis para melhorar a cobertura” das equipas de saúde, nas quais garantiu também estar em curso a contratação de enfermeiros.

Utentes da Saúde do Médio Tejo pede reforço de recursos humanos

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo (CUSMT) também já se pronunciou sobre o problema da escassez de médicos de família, tendo dado conta que este será um tema a abordar na reunião de conselho consultivo do ACES Médio Tejo a realizar dia 4 de junho.

Em nota de imprensa, a CUSMT defendeu que “o reforço dos Recursos Humanos, sempre poucos para as necessidades, só pode ser atingido com vários meios” e que passam pelo “reforço do internato médico e da idoneidade formativa” e pela criação de condições para atrair mais profissionais”, ou seja, através de uma valorização profissional e salarial, melhorias de equipamentos e instalações, telemedicina e digitalização, objetivos de gestão coerentes com a valorização das carreiras, incentivos à fixação, e “habilidade” das administrações das unidades de saúde”, entre outros.     

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome