Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Matrena: a história de uma fábrica centenária em livro

“Matrena – A fábrica de papel, a casa do pessoal e o grupo desportivo” é o título do livro escrito por Leonel Vicente que vai ser lançado em dezembro. Ao longo de mais de 700 páginas descreve-se a história daquela que foi uma das mais importantes fábricas do concelho de Tomar.

- Publicidade -

A fábrica da Matrena foi inaugurada a 15 de janeiro de 1900 e foi-lhe decretada falência a 12 de outubro de 1999.

Durante quase um século foi considerada uma unidade fabril modelar, não só em função da superior qualidade dos produtos nela fabricados, mas, especialmente, em termos das motivações de ordem social que fomentou, com tradução mais vincada na sua “Casa do Pessoal”, a qual viria a integrar também o “Grupo Desportivo”.

- Publicidade -

Por enquanto ainda não há data certa nem local para o lançamento do livro uma vez que ainda está em curso o trabalho de composição gráfica/paginação e, depois, será necessário contar com mais cerca de um mês para impressão na gráfica.

Estruturado em quatro partes, o livro aborda a história da Fábrica de Papel de Matrena, em que se começa por apresentar um pequeno esboço a propósito da história do papel e do seu fabrico em Portugal e em Tomar, a que se segue uma exposição da história da fábrica, desde a sua fundação, em 1900, passando pelas fases de sucessão e consolidação, época áurea, crise, a projetada remodelação, por via da implantação da “Matrena II”, e um derradeiro capítulo, sobre o longo processo de falência.

A segunda parte respeita à “Casa do Pessoal”, compreendendo capítulos atinentes à sua instituição e estatutos, à Caixa de Previdência do Pessoal, obra social e infra-estruturas (abordando a vertente de obra social desenvolvida pela Casa do Pessoal de Fábrica de Matrena, a qual é complementada, a par e passo, com algumas breves indicações relativas ao desenvolvimento de infra-estruturas locais, na área da freguesia da Asseiceira), ação cultural e recreativa, e ainda menção ao corpo de bombeiros privativo da fábrica.

Na terceira parte, a mais extensa, referente ao Grupo Desportivo, para além do capítulo introdutório sobre os denominados “clubes-empresa”, também com uma resenha sobre alguns dos casos mais notáveis, a nível nacional e internacional, apresentam-se depois sucessivos capítulos sobre cada uma das fases da existência do clube, com destaque para os seus períodos áureos, em especial nas três vagas de sucesso antes referidas, a dos primeiros anos, a da década de 60 e a da década de 70.

Por fim, a quarta parte contém uma compilação de dados sobre o historial desportivo (na modalidade de futebol), com súmula do palmarés, lista dos jogadores que foi possível apurar, época a época, resultados e classificações, desde a temporada inaugural, de 1937-38, até ao epílogo da participação do clube em competições oficiais, em 1986-87.

O autor está recetivo a pessoas ou entidades que pretendam apoiar a edição, aceitando subscrições prévias (“reservas” com pagamento antecipado), com indicação do nome das pessoas ou entidades em parte específica do livro, dedicada aos subscritores, neste caso, pelo valor de 20 euros (particulares, com direito a um exemplar) e 50 euros (entidades, neste caso com direito a dois exemplares).

O livro terá um preço de venda ao público de 15 euros.

Refira-se que Leonel Vicente foi também o autor dos livros dos centenários do U. Tomar e do Sp. Tomar.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

5 COMENTÁRIOS

  1. Gostaria de saber quando o livro irá ser lançado.

    Trabalhei na Matrena durante 13 anos e acabei como Diretor Financeiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome