Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Setembro 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação veste centro histórico a rigor para a Quadra de Natal

Com o Natal à porta, o Concelho de Mação veste-se a rigor para mais uma quadra festiva. As ruas da sede de concelho têm já a tradicional iluminação de Natal e por todo o concelho começa já a sentir-se a chegada da quadra natalícia.

- Publicidade -

A partir de dia 9 de dezembro estarão expostos por todo o Município os presépios em espaço público e as montras que participam nos concursos promovidos pela Câmara Municipal.

Este ano, e como é habitual, a CM Mação apresenta uma Árvore de Natal feita com material reaproveitado. Se passar pelos Paços do Concelho aprecie a árvore revestida com pequenos e coloridos pedaços de caixas de ovos elaborados pelas crianças e jovens Maçaenses que participaram nas Férias de Verão 2016, organizadas pela Autarquia em julho e agosto.

- Publicidade -

macao

Mação desafia uma vez mais os munícipes e comerciantes a enfeitar um pinheiro à sua porta. Nas duas primeiras semanas de dezembro serão disponibilizados pinheiros resultantes da limpeza da floresta junto ao edifício da Câmara Municipal de Mação e nas sedes de Freguesia.

Durante o mês de dezembro, regressa a Expo-Venda de Natal. Segundo a autarquia, continuará nos moldes dos anos anteriores. Trata-se de um espaço para os artesãos do concelho venderem os seus produtos e decorre entre 1 e 30 de dezembro, na Galeria do Centro Cultural Elvino Pereira. Na edição deste ano, entre os dias 17 e 18 de dezembro, a Mãe Natal vai estar presente com ofertas doces e pinturas faciais para os mais novos.

Horário: dias úteis: das 09h às 17h30 (aberto à hora de almoço); fins de semana e feriados: das 09h30 às 13h/das 14h30 às 18h.

Na véspera de Natal, 24 de dezembro, durante a manhã, o centro histórico terá animação musical pelas ruas.

macao2

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome