Quarta-feira, Março 3, 2021
- Publicidade -

Mação | Tejo Ambiente prevê investir 4,7 milhões no concelho em dois anos (c/áudio)

Mação será o terceiro Município pertencente à empresa intermunicipal Tejo Ambiente com maior volume de investimento nos próximos dois anos, cerca de 4,7 milhões de euros. Investimentos a concretizar com recurso a financiamento de fundos comunitários e que têm como objeto a eficiência hídrica, com foco no sistema de abastecimento de água. A perspetiva dos investimentos inscritos no plano plurianual da empresa foi apresentada em sessão de Assembleia Municipal de Mação, onde os responsáveis pela Tejo Ambiente deram ainda explicações sobre os erros de leitura da água que geraram faturas elevadas aos munícipes.

- Publicidade -

A presença dos responsáveis da Tejo Ambiente na sessão da Assembleia Municipal de Mação deste mês de dezembro teve como objetivo apresentar informação relativa ao concelho, nomeadamente no que toca aos investimentos previstos para os próximos anos, bem como responder a eventuais questões dos deputados.

A funcionar no concelho de Mação desde 1 de junho de 2020, a Tejo Ambiente é uma empresa intermunicipal responsável pela água, saneamento e resíduos sólidos em seis concelhos do Médio Tejo, servindo uma população de cerca de 108 mil habitantes.

- Publicidade -

Numa apresentação conduzida pelo diretor-geral da Tejo Ambiente, José Santos, e pelo diretor administrativo e financeiro da empresa, Carlos Agostinho, foi feito um balanço sobre a atividade no concelho desde o arranque da sua atividade a 1 de junho e referidos os pontos a melhorar.

ÁGUA E SANEAMENTO

Uma das questões que salta à vista é relativa ao sistema de abastecimento de água, particularmente no que toca à “redução do número de avarias na rede pública de abastecimento”. No nível de classificação, Mação está com cor vermelha, o que significa que “ao nível do serviço de abastecimento de água, temos muito trabalho pela frente”, refere o diretor-geral José Santos.

Apresentação Tejo Ambiente em Assembleia Municipal de Mação, a 3 de dezembro de 2020. Foto: mediotejo.net

Desde 1 de junho até 31 de outubro do corrente ano, já foram intervencionadas 123 avarias nas redes ou ramais. “Parece pouco mais isto dá muito trabalho”, refere José Santos, assumindo que a empresa está a “trabalhar proactivamente na deteção de fugas”.

De referir que cerca de 80% da população de Mação é servida por entidade em alta – Águas do Vale do Tejo (Águas de Portugal) – enquanto cerca de 20% é servida por captações próprias (47). Nos primeiros cinco meses de funcionamento da Tejo Ambiente, comparando com igual período do ano passado, aumentou em 12% a aquisição de água em alta. Também no mesmo período de atividade no concelho de Mação os dados mostram 254 mil metros cúbicos de água vendidos, o que corresponde a um aumento de 32,5% no volume de água vendida em comparação com período homólogo do ano passado. Ao nível de água não faturada, os valores passaram de 74% para 45%.

Ainda com caminho a percorrer está a melhoria da qualidade da água. “Criar todas as condições para que o número de incumprimentos na água fornecida às populações rapidamente caminhe para o zero”, refere o diretor-geral, sublinhando que todas as oportunidades de melhoria “pressupõem investir”. A nível da água residual “o caminho é o mesmo”, diz.

RESÍDUOS

Já do ponto de vista dos resíduos, José Santos destaca “duas grandes questões” a resolver no concelho: incrementar a lavagem de contentores no concelho e a questão da cobertura dos gastos. Ao nível dos contentores, refere ainda a necessidade de “procurar a sustentabilidade dos serviços de resíduos”, aumentando o volume e o número de contentores disponibilizados à população.

Em tempos de pandemia, aumentou a tonelagem de resíduos urbanos recolhida em cerca de 23%. No entanto, o diretor-geral da Tejo Ambiente apela à população no sentido de se fazer a distinção entre resíduos sólidos urbanos e resíduos sólidos profissionais.

 

A SITUAÇÃO DE “DESCARRILAMENTO” NA FATURAÇÃO DA ÁGUA

Nos primeiros cinco meses de funcionamento, a Tejo Ambiente emitiu cerca de 28 mil faturas. Num serviço em que “não se consegue agradar a toda a gente”, o diretor-geral da empresa refere que desde junho foram registadas na loja de atendimento ao público de Mação 21 reclamações: quatro associadas ao serviço de abastecimento de água e saneamento de águas residuais, três reclamações face à faturação e 14 relativamente aos resíduos sólidos urbanos.

Loja de Atendimento ao Público da Tejo Ambiente em Mação. Foto: CM Mação

“Infelizmente, não conseguimos agradar a toda a gente. Muitas vezes com razão do utilizador, outras vezes sem razão do utilizador. Estamos cá para avaliar tudo aquilo que é o descontentamento, com ou sem razão”, assume.

E um dos assuntos que fez correr tinta foi o descontentamento dos consumidores não só de Mação mas também de outros concelhos pertencentes à empresa – como Vila Nova da Barquinha – relativamente à faturação da água.

Na sessão de Assembleia Municipal de Mação de 3 de dezembro, o presidente da União de Freguesias de Mação, Penhascoso e Aboboreira, José Fernando, aproveitou a presença dos responsáveis da Tejo Ambiente para questionar sobre o “descarrilamento na faturação”.

Em resposta, o diretor-geral da Tejo Ambiente, José Santos, justificou a situação com a existência de “dois prestadores de serviços distintos”. “Foram identificados erros de leitura em agosto e em novembro. Todos os erros de leitura validados concretamente foram corrigidos. Errámos na leitura, deu origem a uma faturação disparatada, verificámos que a leitura estava errada, nota de crédito, corrigimos”, disse, acrescentando que “o Facebook não serve de reclamação”.

Ainda no que respeita à população, o presidente da U.F. Mação, Penhascoso e Aboboreira referiu a necessidade de serem realizadas “campanhas de sensibilização junto dos consumidores em Mação, reiterando que há “uma falha de comunicação da Tejo Ambiente”.

Corroborando da posição do diretor-geral da Tejo Ambiente de que “só não erra quem não trabalha”, o diretor financeiro da Tejo Ambiente, Carlos Agostinho, salienta uma “vontade coletiva” em que as coisas deem certo. “Estamos a cerca de menos de um ano de atividade (…). Toda a nossa máquina está a ser readaptada, reajustada, procurando de alguma forma ter uma política uniforme nesta base territorial mais alargada para o futuro”, disse.

 

OS 4,7 MILHÕES DE INVESTIMENTO PREVISTOS PARA MAÇÃO

No Plano Plurianual de Atividades da Tejo Ambiente, a perspetiva, nomeadamente para 2021, é de “investimentos de reposição, de modernização e renovação de sistemas”, admite Carlos Agostinho. O diretor financeiro da empresa sublinha que “sob o ponto de vista global, o conjunto dos Municípios expressavam um resultado negativo de quase 3,8 milhões de euros nestas atividades – resultados operacionais – e o nosso objetivo para 2021 é tentar procurar reduzir esse défice de forma a que o erário público consuma menos recursos e promova a sustentabilidade”.

Carlos Agostinho, diretor financeiro da Tejo Ambiente, apresentou os investimentos destinados ao concelho de Mação. Foto: mediotejo.net

Em termos de investimentos incluídos no plano, o foco é “naquilo que são as operações financiadas pelo POSEUR”. A Tejo Ambiente submeteu e viu aprovadas 21 candidaturas, nas quais está incluído o concelho de Mação, nomeadamente para intervenções no sistema de abastecimento de água: para o subsistema de abastecimento de Corgas, “todo o sistema de ligação em alta, para melhorar a qualidade de água e reduzir as perdas nesses sistemas”.

Também no âmbito da eficiência hídrica há um projeto integrado aprovado na ordem dos 2,4 milhões de euros. No caso de Mação, estão previstos 29% dos investimentos aprovados, “praticamente todos eles já adjudicados”, anuncia o diretor financeiro da Tejo Ambiente.

Com a perspetiva destas intervenções, Mação é o terceiro Município da Tejo Ambiente que maior volume de investimento vai ter nos próximos dois anos: cerca de 4,7 milhões do total de 39 milhões de euros afetos ao investimento.

Investimentos esses que têm em vista “garantir a sustentabilidade do sistema para que no futuro não se venha onerar as pessoas diretamente”, permitindo “atenuar o incremento do tarifário”, referiu Carlos Agostinho.

PRESIDENTE DA CÂMARA DE MAÇÃO RECONHECE PROBLEMAS NO CONCELHO MAS DESTACA “EXTRAORDINÁRIO TRABALHO” DA EMPRESA

Após a sessão de apresentação por parte da Tejo Ambiente na Assembleia Municipal de Mação, o presidente da Câmara Municipal tomou a palavra para deixar esclarecimentos, nomeadamente no que concerne ao seu pedido de demissão do cargo de presidente da Assembleia Geral da empresa intermunicipal.

Presidente da Câmara Municipal de Mação, Vasco Estrela. Foto de arquivo: mediotejo.net

Vasco Estrela realçou o “extraordinário trabalho” que foi “meter de pé uma empreitada destas”, referindo que a sua intenção de deixar o cargo “não é de agora”. Em causa está a discordância com opções da empresa. “A administração tem toda a legitimidade para tomar as decisões que entender como eu tenho toda a legitimidade para não concordar com elas e não me sentir confortável em estar a presidir a um órgão onde não estão a tomar as melhores decisões, neste caso concreto, para o Município [de Mação] a médio prazo”, disse.

O autarca deu como exemplo a opção de se passar de cerca de 40 captações de água para cerca de 30. “Se isto é atrativo do ponto de vista imediato, a médio e longo prazo é um desastre (…) Não consigo perceber”, disse.

Vasco Estrela afirmou ainda que “está a haver um tratamento que poderia ter sido outro. Neste caso concreto, o concelho de Mação não está a ser bem tratado e não está a ser tratado com a mesma justiça que são tratados os outros todos”.

Quanto ao concelho que lidera, reconhece que existem “problemas gravíssimos que temos de resolver”. No entanto, sublinha que “não se pode é dizer que é só Mação e que os outros são o paraíso”, lembrando outros concelhos da Tejo Ambiente que necessitam de investimento e intervenções urgentes.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou à capital com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).