Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Novembro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação | Rostos de Timor, de António Cotrim, no CC Elvino Pereira

Mação recebe dia 7 de janeiro, este sábado, a exposição de fotografia “Rostos de Timor”, do fotojornalista António Cotrim. A inauguração terá lugar às 15h00 na Galeria do Centro Cultural Elvino Pereira, mas a exposição irá estar patente até 31 de janeiro.

- Publicidade -

António Cotrim é fotojornalista da Agência Lusa e foi distinguido com o Prémio Gazeta 2014. “Rostos de Timor” reúne 24 fotografias que “mostram a nobreza do povo timorense” representando para o fotojornalista “uma singela homenagem aos homens e mulheres de Timor que sofreram, lutaram e morreram pela liberdade e independência de uma terra que amavam e à qual queriam chamar ‘o meu país’ ”.

A “marca de sofrimento e ao mesmo tempo de esperança”, que António Cotrim encontrou nos rostos que fotografou em 2007 em Timor-Leste, fez surgir a ideia de realizar esta exposição que chega agora a Mação, lê-se na informação do munícipio.

- Publicidade -

António Cotrim é fotojornalista da Agência Lusa e foi distinguido com o Prémio Gazeta 2014. Foto: DR

António Cotrim começou a trabalhar na área da comunicação social em 1974, tendo passado pelas agências noticiosas Lusitânia, ANOP, Notícias de Portugal e, atualmente, Lusa. Colaborou também com o semanário Tal & Qual e o desportivo Record.

O fotógrafo foi já distinguido com duas menções honrosas, uma do Clube Português de Imprensa, na categoria de fotorreportagem, em 2001, e outra do Prémio Europeu de Fotografia Fujifilm, na categoria de desporto, em 2004.

A exposição pode ser visitada nos dias úteis das 9h00 às 17h30 e ao sábado das 14h30 às 18h00, na Galeria do CC Elvino Pereira, até dia 31 de janeiro.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome