Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Junho 14, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação quer todo o território coberto por Áreas Integradas de Gestão da Paisagem (c/áudio)

A Câmara Municipal de Mação submeteu a candidatura oito propostas para constituição de Áreas Integradas de Gestão da Paisagem (AIGP) no concelho de Mação, numa ação conjunta com a Aflomação – Associação Florestal de Mação. As oito propostas cobrem todo o território concelhio, sendo uma AIGP por cada antiga sede de freguesia, “permitindo uma igualdade de oportunidade e circunstâncias para todas”.

- Publicidade -

O assunto foi tema em Assembleia Municipal, realizada a 30 de abril, com o executivo municipal a dar conta da iniciativa aos deputados. “A nossa linha de ação foi ligeiramente diferente da dos outros municípios. Optámos por propor todo o território, porque está mais do que claro para toda a gente e é indiscutível que o território precisa de uma profunda alteração. Acho que somos o único concelho que fez uma cobertura total [nas propostas de candidatura] no seu território”, começou por dar conta o vice-presidente da autarquia, António Louro, responsável pelo pelouro da Floresta.

António Louro crê que com esta iniciativa “conclui-se um processo que vai ser importante para o futuro” da floresta por terras maçaenses.

- Publicidade -

Já o presidente da Câmara, Vasco Estrela, espera que este projeto “possa ser, finalmente, a concretização daquilo que há tantos anos ambicionamos em termos de floresta para o concelho de Mação”.

ÁUDIO | António Louro, vice-presidente da CM Mação e responsável pelos pelouros do Ambiente, Agricultura e Floresta, Prevenção de Fogos Florestais e Proteção Civil

Este trabalho foi desenvolvido e coordenado por António Louro, “um dos grandes defensores da reforma da floresta, do ordenamento do território e gestão da paisagem”, sublinha a autarquia em nota de imprensa.

Os documentos que foram entregues na Direção-Geral do Território (DGT) para a candidatura das AIGP “fazem uma descrição cuidada do território, tendo a sua submissão marcado o início de um novo processo e preparação para o passo seguinte, que visa a concretização do objetivo, há muito almejado, para obtenção de um território mais sustentável em termos ambientais, valorizando-o simultaneamente nas suas variadas vertentes e contribuindo para o tão ambicionado desenvolvimento do setor florestal”.

As propostas em causa vão ao encontro do que tem sido defendido ao longo das últimas décadas pela autarquia maçaense em matéria de ordenamento do território e gestão da floresta.

Segundo a DGT, “as Áreas Integradas de Gestão da Paisagem (AIGP) visam uma abordagem territorial integrada para dar resposta à necessidade de ordenamento e gestão da paisagem e de aumento de área florestal gerida a uma escala que promova a resiliência aos incêndios, a valorização do capital natural e a promoção da economia rural”.

Nas AIGP “serão criadas as condições necessárias para o desenvolvimento de Operações Integradas de Gestão da Paisagem (OIGP) a executar num modelo de gestão agrupada da responsabilidade de uma entidade gestora e suportada por um programa multifundos de longo prazo que disponibiliza apoios ao investimento inicial, às ações de manutenção e gestão ao longo do tempo e à remuneração dos serviços dos ecossistemas”.

Na Assembleia Municipal de 30 de abril, a bancada do PS, na voz de José Fernando Martins, presidente da UF Mação, Penhascoso e Aboboreira, fez requerimento para ter acesso à documentação e candidaturas submetidas.

“Dado que não tivemos grande oportunidade de poder dar contributos, também devido às condicionantes da pandemia, queremos pelo menos ter conhecimento do que foi submetido e que está em marcha”, disse o socialista.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome