- Publicidade -

Mação | Praias fluviais vão abrir “a seu tempo”, autarca pede bom senso aos visitantes

O bom tempo tem atraído dezenas de visitantes a vários locais do concelho de Mação, com a atenção voltada essencialmente para as praias fluviais. Acontece que ainda não estão abertas ao público uma vez que ainda não iniciou a época balnear, prevista arrancar em final de junho. Vasco Estrela, presidente da CM Mação, deixa um apelo para que as pessoas não acedam aos espaços garantindo que “a seu tempo as praias serão abertas com as devidas condições” e que “utilizar instalações do município que não têm condições neste momento, não é apropriado”.

- Publicidade -

O presidente da CM Mação deu conta ao mediotejo.net, após a reunião de Câmara de dia 27 de maio, de uma “enchente na praia fluvial de Cardigos, com várias caravanas no local” no passado fim-de-semana, de 23 e 24 de maio, e estando a água “imprópria para qualquer tipo de atividade”.

Outra situação reportada sucedeu em Ortiga, onde um conjunto de pessoas optou por acampar na praia fluvial, uma vez que o parque de campismo só reabre a partir de 1 de junho. Também esta praia fluvial e equipamento estão a ser alvo de trabalhos de manutenção e beneficiação, a preparar-se para a abertura.

- Publicidade -

Carvoeiro também tem atraído visitantes e curiosos, mas o local está a ser alvo de obras de requalificação para recuperação dos prejuízos causados pela Tempestade Elsa (dezembro de 2019). Os trabalhos decorrem “a bom ritmo”, havendo esperança que possa a praia reabrir a tempo do início da época balnear, no final de junho.

Obras de requalificação decorrem na praia fluvial de Carvoeiro, tendo em conta os muitos prejuízos causados pela passagem da tempestade Elsa em dezembro de 2019. Foto: CMM

O autarca maçaense frisa que “as praias estão interditas, não tendo qualquer tipo de segurança ou instalações de apoio a funcionar”, estando ainda a ser definidas as regras de acesso àqueles locais, mediante as diretrizes emanadas pelo Governo e entidades competentes.

“Temos de nos balizar pelas normas definidas na legislação, pelas recomendações da Direção-Geral de Saúde, nomeadamente o que nos vai ser transmitido sobre a lotação definida para cada uma das praias. A APA tem o mapa e áreas de cada praia para estabelecer o que será a lotação possível”, explica Vasco Estrela.

Por outro lado, o edil refere que se farão cumprir as regras com vigilância própria, colocação de cancelas nomeadamente em Cardigos, limitação de parques de estacionamento, “para evitar um número acima do que for recomendável”.

“Não escondo a minha preocupação esta matéria, e não conseguiremos nada se não houver colaboração das pessoas. Há aqui uma questão de bom senso, e como o Primeiro-Ministro disse, e bem, não podemos pôr um polícia nem um fiscal da Câmara, nem um vereador ou presidente ao lado de cada uma das pessoas…”, disse.

Vasco Estrela insiste que “a cada um compete fazer a sua parte, sob pena de termos de tomar decisões mais drásticas, como encerramento de praias, que acho que é o tipo de coisa que ninguém quer fazer”.

Apesar de tudo, crê que as pessoas “são conscientes e têm bom senso, e que não irão para uma praia quando se verificar que não estão reunidas as condições para a frequentarem”, termina.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).