Mação | Picareto de Ortiga vence final distrital das 7 Maravilhas da Cultura Popular (c/video)

O barco Picareto de Ortiga, Mação, venceu a final distrital de Santarém do Concurso 7 Maravilhas da Cultura Popular e é assim um dos semifinalistas nacionais deste concurso transmitido para todo o mundo pela RTP. A tradicional festa da Benção do Gado de Riachos, Torres Novas, ficou em 2º lugar, e é uma tradição que pode ainda ser repescada para integrar a lista de pré-finalistas do concurso. Construído pela arte dos mestres calafates de Ortiga, o tradicional picareto é um barco utilizado para pesca no rio Tejo, e era construído naquela freguesia para dar meio às famílias de pescadores para conseguirem ir para a faina ou para se atravessar de uma margem à outra, servindo de meio de transporte privilegiado à época.

PUB

Vasco Estrela, presidente da Câmara de Mação, não escondeu a satisfação pelo vitória e pelo destaque nacional, tendo referido ser “motivo de grande orgulho no concelho de Mação, na freguesia de Ortiga”, (..), tendo lembrado que a distinção surge “quando estamos para inaugurar o Núcleo Museológico [em Ortiga] que vai ter o picareto como peça central”. É “uma vitória que impulsionar tudo isto”, notou Vasco Estrela, que agradeceu de seguida a toda a equipa da autarquia, à freguesia de Ortiga e ao padrinho da candidatura, o ortiguense Alindo Consolado Marques, conhecido ambientalista em defesa do rio Tejo.

A história dos picaretos de Ortiga funde-se com a história do último calafate dali, o conhecido Ti Manuel Fontes, falecido em janeiro de 2017 com 90 anos. Tinha nas mãos o engenho e arte para construir este tipo de embarcação, contando-se mais de 3 centenas os que saíram da sua oficina em Ortiga.

PUB
Barco Picareto de Ortiga (Mação) vence concurso distrital das 7 Maravilhas da Cultura Popular. Foto: CM Mação

Segundo recolha do município de Mação, os picaretos surgem com este nome “por terem a forma de uma picareta agrícola”, ao longo de seis metros de comprimento. É um barco capaz de se adaptar facilmente às variações de caudal, pois trata-se de “um barco de aresta, com fundo chato podendo navegar com um palmo e água”. Demora cerca de 20 dias a ser construído, sendo necessárias cerca de 100 tábuas, o equivalente a 4 pinheiros.

Uma das muitas réplicas em ponto pequeno que Manuel Fontes, o último calafate de Ortiga, foi fazendo. Muitas são as pessoas que de propósito vinham a Ortiga conhecer a oficina e buscar a sua obra de arte. Mação vai homenagear esta arte no Núcleo Museológico a abrir em breve, instalado na antiga escola primária da localidade. Foto: CMM

A constituição deste barco tem a particularidade de ser dividida em dois leitos, sendo que “o mais largo é o leito grande onde, em cima, se trabalham as redes e, por baixo, se dorme”, enquanto o leito pequeno “é o da proa, onde se mete o serrão da «bucha» para comer e os sapatos, pois no barco é obrigatório andar descalço”.

PUB
Vasco Estrela, presidente da CM Maçao, e Arlindo Marques, o ambientalista de Ortiga que apadrinhou a candidatura ganhadora.

“Os barcos picaretos são parte da nossa identidade, a par do Rio Tejo, sendo considerados autênticas obras de arte por conjugarem a experiência dos pescadores com a criatividade dos seus construtores. A técnica da sua construção passou de geração em geração e assumem-se hoje como um dos maiores bens da nossa história, com a certeza do seu fim, com a extinção dos calafates, que foram muitos”, sublinha a CM Mação sobre a candidatura, de um bem patrimonial que “trazia auxílio aos pescadores e comida às mesas e porque ainda cruzam as águas do nosso Tejo”.

Barco picareto está ligado umbilicalmente à história da aldeia ribeirinha de Ortiga, em Mação, aos seus calafates e pescadores. Foto: Sérgio Durão

A autarquia refere que, em homenagem às artes da pesca, aos pescadores, aos calafates e ao rio Tejo, irá ser inaugurado “em breve” o Núcleo Museológico de Ortiga, instalado na antiga escola primária, e que funcionará enquanto “pólo museológico das artes da pesca tradicional no rio Tejo, onde o picareto tem lugar de honra assumindo-se como peça principal”.

A região do Médio Tejo teve 32 patrimónios nomeados e candidatos às 7 Maravilhas da Cultura Popular entre o total de 471 nomeados de norte a sul do país e das ilhas. Com usos, costumes e tradições candidatos a esta edição do concurso estiveram representados os concelhos de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas e Vila de Rei. Nos concelhos limítrofes também Chamusca e Ponte de Sor apresentaram candidaturas.

Picareto. Foto: DR

Na região do Médio Tejo, o concelho de Mação apresentou-se na final distrital de Santarém com duas nomeações – o barco picareto e as velas de Cardigos -, Sardoal apurou-se com a tradição das capelas enfeitadas com tapetes de flores, ao passo que Constância vai mostrar a Festa em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem. Torres Novas apresentou-se na final regional com a Bênção do Gado de Riachos e Alcanena com as tradicionais mantas de Minde. Por fim, Coruche e a sua cestaria de junco completou o leque de finalistas regionais do distrito de Santarém candidatos à 7 Maravilhas da Cultura Popular.

No distrito de Castelo Branco, mas ligado à região do Médio Tejo, o município da Sertã viu ser apurado, na categoria de Música e Danças, o projeto “Cancioneiro Tradicional da Beira Baixa”, protagonizado pelo músico Miguel Calhaz, natural da Sertã. A final distrital de Castelo Branco decorrerá a 14 de agosto, a partir de Penamacor. Os vencedores são escolhidos pelo público, através do voto por telefone (ver quadro com números de cada candidato).

Calendário das próximas fases do concurso 7 Maravilhas Cultura Popular

Depois da Organização das 7 Maravilhas de Portugal® ter recebido 504 candidaturas ao seu concurso de 2020, dedicado à Cultura Popular, o Painel de Especialistas composto por 7 elementos de cada um dos 18 distritos e 2 regiões autónomas, elegeu 7 patrimónios de cada região, num total de 140 finalistas regionais, que estão a participar nas respetivas eliminatórias regionais, em antena desde o dia 6 de julho na RTP1 e RTP Internacional.

Estas 20 finais regionais correspondem a 20 programas em direto, a transmitir este mês de julho, a partir dos municípios mais pequenos que estiverem a concurso, onde serão diretamente apurados os 20 vencedores, através do maior número de votos populares.

Segue-se um programa de repescagem, a realizar no dia 16 de agosto, onde o voto popular decidirá quais os 8 repescados, a partir dos 20 segundos classificados nas finais regionais. Estes 28 semi-finalistas serão distribuídos por critérios de proximidade geográfica, em duas semi-finais, que irão apurar os 14 finalistas, a realizar nos dias 23 e 30 de agosto.

A 5 de setembro será efetuada a Declaração Oficial das 7 Maravilhas da Cultura Popular® – SICAL, no prime-time da RTP.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here