Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação | Orçamento de 12,5 milhões de euros aprovado para 2018

A Assembleia Municipal de Mação aprovou por maioria, esta quarta-feira, dia 20 de dezembro, o Orçamento e Plano de atividades para 2018 num valor de cerca 12,5 milhões de euros; mais 6,3% do que o do ano transato. Para o autarca Vasco Estrela (PSD) este é um “documento adequado às necessidades do concelho, realista, exequível”, assente em seis áreas: Inovação e Ação Social, Educação e Cultura, Empreendedorismo, Floresta e o sistema agroflorestal, Recursos naturais, reabilitação e manutenção de infraestruturas e do património.

- Publicidade -

O documento, aprovado por maioria em sessão de Assembleia Municipal com 9 asbtenções do PS e 12 votos a favor do PSD, contou com aprovação por maioria em reunião privada de executivo camarário, com voto contra do vereador socialista Nuno Barreta.

Vasco Estrela, durante a apresentação da estratégia para 2018, referiu ser ponto de honra neste mandato iniciar “o cumprimento dos compromissos que assumimos para este concelho aquando da campanha eleitoral e que obviamente teremos de nos guiar durante estes 4 anos”, acrescentando ainda que este tipo de documentos “não são estanques e que se têm de adaptar à realidade”, existindo para já, neste primeiro orçamento do mandato, condicionantes, nomeadamente pelos prejuízos causados pelos incêndios florestais deste verão que assolaram o concelho.

- Publicidade -

Movido por cinco objetivos principais, o documento serve a resposta da Câmara Municipal nos próximos quatro anos, em que se pretende melhorar os apoios sociais, em especial dos mais carenciados, criar condições para a melhoria da atividade económica, valorização dos nossos recursos, aprofundar e valorizar o conhecimento, a educação e cultura, e a promoção cívica, em particular junto dos mais jovens.

Para alcançar estes objetivos, o autarca referiu que devem existir “apostas mais efetivas em 6 áreas”, sendo elas a Inovação e Ação social, Educação e Cultura, Empreendedorismo, Floresta e o sistema agroflorestal, Recursos naturais, Reabilitação e manutenção de infraestruturas e do património.

O presidente da Câmara Municipal aproveitou para destacar alguns elementos nas várias linhas de atuação, nomeadamente na área da Inovação e Ação Social, onde constam “a manutenção dos apoios sociais existentes, e se possível, algum aprofundamento nomeadamente na questão dos medicamentos para os mais carenciados”, bem como o início da construção do Centro de Atividades Ocupacionais e reabilitação do antigo Quartel dos Bombeiros.

No âmbito da Cultura e Educação, o apoio ao Agrupamento de Escolas mantém-se como um dos eixos, garantindo-se todos os prémios e apoios à comunidade escolar, e havendo a vontade de ter uma “atenção especial ao Ensino Técnico-profissional, esta que é uma grande aposta que o Agrupamento de Escolas tem feito nos últimos anos e para o qual a Câmara tem contribuído de uma forma decisiva para esse sucesso”.

Foto: mediotejo.net

Também nesta área, surge o Núcleo Museológico de Ortiga, cujo projeto já foi concluído,prevendo-se que avance durante o próximo ano, tal como a obra de requalificação do Cineteatro de Mação. Na mira está também um reforço da participação cívica das pessoas no concelho, “é importante que as pessoas não deixem de fazer parte do futuro deste concelho”, explicou Vasco Estrela.

Quanto ao empreendedorismo, segundo o autarca esta linha de atuação merece “uma atenção particular e especial”, em que a CMM tem que fazer a sua parte ao “disponibilizar os meios, a competência, e temos neste momento um desafio grande pela frente, que é a dinamização do Centro de Negócios/Ninho de Empresas, que representou um grande investimento por parte da autarquia, e que importa não desperdiçar”, disse, fazendo notar que “agora não podemos deixar deitar abaixo aquilo que já foi feito e que custou muito dinheiro a todos nós”.

Neste campo, há ainda a missão de “tentar ajudar e estimular o comércio local, com a iniciativa “Compre Mação”, no fundo será um conjunto de incentivos para que as pessoas possam também fazer as suas compras no comércio da nossa terra”, contextualizou.

No segmento da Floresta e sistema agroflorestal, irá continuar a aposta nas Zonas de Intervenção Florestal, para tentar dinamizar e incentivar, “tendo em consideração o novo enquadramento legal da possibilidade de as autarquias das Entidades de Gestão Florestal, avaliar ou não esta possibilidade, tendo em conta um conjunto de variáveis”.

Na estratégia de valorização dos recursos, o autarca destacou a importância de uma visão integrada, que inclua todos os recursos, naturais e outros, no âmbito da cultura, paisagem, associações e potencial turístico. Aqui surge o projeto de candidatura da requalificação das margens do rio Tejo “que até ao final do mês terá uma nova atualização de candidatura”, assumiu Vasco Estrela; a articulação para a agenda concelhia entre a Câmara e as associações do concelho é também prioridade neste aspeto, para evitar sobreposições de eventos; tentar criar uma rede de património classificado e não-classificado do concelho com ajuda dos munícipes está também nas opções da autarquia para os próximos quatro anos.

Na reabilitação e manutenção de infraestruturas e do património, surgem aquelas que são preocupações diárias com a rede viária, arruamentos, entre outros, e com o projeto para construção do Espaço do Cidadão em Cardigos.

A modernização dos serviços da autarquia e o melhorar prestação de serviços aos munícipes, é uma das diretrizes na atuação da Câmara, pelo que poderá estar em cima da mesa uma reestruturação do horário e atendimento ao público e outra apresentação dos serviços municipalizados.

Foto: mediotejo.net

Num modo geral, Vasco Estrela refere que a proximidade continuará a ser imagem de marca da Câmara, e como tal, a ação da autarquia “será pautada por uma total abertura para que possamos receber os contributos de todos aqueles que entenderem que a sua opinião e as suas ideias podem ser importantes para o executivo municipal e para o desenvolvimento do concelho”, mencionando dirigir-se a membros da oposição, associações, trabalhadores da autarquia, empresas, e comunidade em geral.

“O trabalho que temos pela frente é um trabalho de todos, foi no passado, já o era até julho, é de uma forma muito mais vincada a partir de julho e agosto deste ano”, frisou, apelando ao contributo de todos para reerguer o concelho altamente atingido pelos incêndios deste verão.

Nesta senda, o edil considera que o orçamento para o próximo ano “poderia ser bem mais elevado, estando previstos cerca de 2 milhões de euros para medidas de estabilização pós-incêndios e para a reabilitação das infraestruturas afetadas pelos incêndios”, mas desta feita, foram definidas áreas prioritárias “onde entendemos que devemos focalizar mais a nossa ação”.

Em declarações à comunicação social, Vasco Estrela referiu que é perspetiva dos órgãos autárquicos que “deve ser essencialmente por aqui que devemos trilhar o nosso caminho, sem descurar obviamente aquilo que tem sido a nossa ação ao longo dos anos, uma câmara extremamente preocupada com os apoios sociais, com o apoio às associações, com o apoio às empresas, com uma Câmara próxima e com o sentido de tentar resolver a cada dia os problemas das pessoas”.

As opções mais “prementes” referem-se ao sistema agroflorestal e a floresta, “até porque provavelmente as Câmaras Municipais irão ter aqui uma maior responsabilidade nesta matéria, e a Câmara de Mação mais responsabilidade tem pelo seu passado, pelos contributos, por aquilo que aconteceu e por ter a certeza que não podemos renegar à nossa história e não podemos renegar o concelho onde estamos inseridos”, explicou.

O orçamento de 2018 tem ainda uma “componente muito forte no âmbito do PARU”, estando já a decorrer a requalificação do Jardim Municipal, ao que acresce a requalificação do Cineteatro, do Largo dos Combatentes, e a obra principal, que é a requalificação do antigo Quartel dos bombeiros para a instalação do Centro de Atividades Ocupacionais. “Uma obra cujo projeto está concluído e tem parecer positivo da Segurança Social, segundo soube hoje [quarta-feira, dia 20 de dezembro], esperamos poder vê-la concretizada no próximo ano”, terminou o autarca.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome