Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação | Indústria de canábis medicinal nasce em Ortiga num investimento de 3 ME (c/áudio)

Foi o primeiro investimento a ser anunciado, em 2019, quando a autarquia de Mação, em reunião de executivo, aprovou a viabilidade para implantação desta indústria no concelho. Ortiga recebeu esta segunda-feira, dia 10 de maio, o primeiro passo para a construção da unidade fabril no setor da canábis medicinal para fins terapêuticos, desta feita pela empresa Greatsoul – Pharma Portugal, Unipessoal, Lda, num momento simbólico de lançamento da primeira pedra. O projeto prevê a criação de 10 a 25 postos de trabalho e um investimento na ordem dos 3 milhões de euros. Até ao outono os investidores esperam que a construção do equipamento esteja concluída e operacional. A expectativa é que em dois anos o projeto esteja a laborar na totalidade.

- Publicidade -

É na zona industrial de Ortiga que por estes dias começa a nascer o primeiro investimento de três confirmados para o concelho de Mação, que assentará no cultivo, armazenamento, produção, manipulação ou transformação, importação, exportação, trânsito e expedição, de cannabis sativa e seus derivados, tudo para fins medicinais. Um setor que é novidade no país, mas principalmente na região do Médio Tejo, e que está a entrar em força no território português dadas as condições que atestam serem de excelência para a atividade, nomeadamente a nível climatérico.

Na manhã de segunda-feira, dia 10 de maio, chovia copiosamente quando se pretendia iniciar o simbólico momento que marca o arranque deste investimento da Greatsoul – Pharma Portugal no concelho. Difícil não puxar do dito popular “boda molhada é boda abençoada”, sendo unânime o entendimento de que este seria um bom prenúncio para o futuro da unidade industrial em causa.

- Publicidade -

O lançamento da primeira pedra para construção da unidade industrial foi simbólico, com uma cápsula do tempo enterrada no local com documentação relativa à empreitada, projeto e demais elementos. Foto: mediotejo.net

Vasco Estrela, presidente da Câmara Municipal de Mação, integrava a comitiva que coopera na instalação do projeto, e não escondeu o seu contentamento por se começar a ver no terreno a concretização das intenções que desde 2019 tem anunciado com alguma ponderação.

ÁUDIO | Vasco Estrela, presidente da CM Mação

É “um investimento extraordinariamente importante, e que já há uma série de meses que andamos a trabalhar neste sentido. Hoje tem este momento simbólico, mas que representa muito para todos nós”, disse Vasco Estrela, aludindo aos cerca de 3 milhões de euros ali envolvidos. “Significa postos de trabalho e desenvolvimento para o nosso concelho”, notou.

Na ocasião o edil destacou o trabalho e esforço de uma grande equipa envolvida num processo moroso, desde a Junta de freguesia de Ortiga e o seu presidente, à equipa que apresentou o projeto à autarquia, os serviços da Câmara Municipal, que deve seguir determinados trâmites legais e processuais estipulados pela entidade reguladora, e demais entidades nacionais que viabilizam a prossecução do projeto.

“Houve uma conjugação de esforços que possibilitaram que o dia de hoje seja um dia importante para o concelho de Mação, que espero que os objetivos da empresa sejam todos concretizados, e que daqui a uns anos, quando por aqui passarmos, possamos todos dizer que valeu a pena o esforço para que as coisas acontecessem”, concluiu.

O CEO Jaime Gil-Robles com o presidente da CM Mação, que não se cansou de elogiar durante a sessão pela forma como tem apoiado todo o processo de implantação da unidade industrial da Greatsoul Pharma Portugal. Foto: mediotejo.net

Em 2019, Vasco Estrela, presidente da CM Mação, mostrava-se entusiasmado com as perspetivas de futuro num setor que estava claramente de olhos postos no concelho, com diversas empresas a manifestarem interesse para ali instalarem as suas unidades de canábis para fins medicinais/terapêuticos. Das várias intenções demonstradas surgem agora atos que firmam o compromisso de investimento em terras maçaenses, com arranque de obras após licenciamento e aprovação pela entidade reguladora destes projetos, o INFARMED.

Da parte da empresa, o CEO Jaime Gil-Robles admitiu que entre as várias vantagens que fizeram de Mação o local ideal para a instalação e laboração do equipamento estão as “condições geográficas perfeitas para a atividade” e “o mais importante, o apoio com que sempre contámos por parte do presidente da CM Mação e de toda a sua equipa, a quem agradecemos e que nos ajudaram durante todo o processo”.

“Encontrámos um sítio perfeito para desenvolver a nossa atividade, e as pessoas do concelho têm sido simpáticas e acolhedoras”, adicionou.

ÁUDIO | Jaime Gil-Robles, CEO da Greatsoul Pharma Portugal

Refira-se que o projeto terá diversas fases, que irão evoluindo conforme a atribuição de licença por parte do INFARMED e mediante o cumprimento da legislação e regulamentação aplicável a nível europeu e internacional. Para já a empresa detém uma pré-licença que visa a conclusão das infraestruturas e unidade, sendo que após a construção terá de ser feita vistoria para aprovação das mesmas.

“Trata-se de um processo com supervisão do INFARMED, sendo esta a autoridade que vai marcar o ritmo das operações. Para já definimos um projeto coerente, em conversação com a autarquia e com o regulador. À medida que o mercado vai desenvolvendo, o projeto vai crescendo, pois teremos espaço e capacidade para crescer com ele”, admitiu Gil-Robles.

A intenção da empresa Greatsoul Pharma é concluir até ao outono a obra de construção do equipamento.

Foto: mediotejo.net

Também visivelmente orgulhoso desta concretização estava o presidente de Junta, Rui Dias, parceiro envolvido ativamente no processo.

O presidente de junta disse que este foi “um acontecimento importante para a freguesia”, pois “vai trazer trabalho, gente, e o Interior está a precisar disto. Todos os passos que dermos neste sentido são bem dados. Hoje estou contente, porque a freguesia está de parabéns com a instalação desta empresa, por isso disponibilizámos terrenos e tudo o que foi necessário para que tenha o sucesso que merece”.

ÁUDIO | Rui Dias, presidente da JF Ortiga

As expectativas sobre este empreendimento são altas no sentido de fazer mexer a economia local, e com isso dinamizar a freguesia, muito envelhecida.

Este é um passo importante para atrair e fixar população, bem como alavancar negócios já existentes ou perspetivar novos projetos.

Segundo Rui Dias a população está muito curiosa com a nova empresa e também feliz por poder contar com “gente nova”.

Foto: mediotejo.net

Esta é umas das três empresas que se irão instalar no concelho de Mação, estando também já adiantados procedimentos para outras duas: uma a instalar entre Rosmaninhal e Casal da Barba Pouca e outra junto ao Alto da Caldeirinha, depois de Casas da Ribeira.

A Câmara Municipal de Mação tem disponibilizado apoio e trabalhado ao lado dos empresários e investidores, acreditando estarem a reunir-se condições para “um concelho de Mação um pouco diferente”, por via da concretização destes projetos já anunciados e confirmados. “Felizmente há condições para desenvolvimento de projetos nesta área e nisso que estamos a trabalhar”, afiançou.

“É para isso que nós, autarcas, trabalhamos. Mas também só conseguimos atingir os nossos objetivos se houver uma grande conjugação de esforços, que as oportunidades surjam e que as possamos agarrar e que haja também um conjunto de entidades que connosco colaboram e trabalham, que nos possam ajudar a concretizar estes objetivos”, reconheceu o edil maçaense.

Vasco Estrela considera que “é bom que Mação possa ter este virar de página, e deixar a ideia da fatalidade e de que tudo aquilo que acontece geralmente é mau. Neste caso estamos aqui por um ótimo motivo e tenho muito a agradecer às pessoas que apostaram também no concelho de Mação, em particular os investidores. Pois sem eles e sem o apoio nada disto poderia ter acontecido”.

Foto: mediotejo.net

Quanto ao potencial de existência de um cluster neste setor da canábis para fins terapêuticos em Mação, o presidente da Câmara não omitiu que “gostaria que isso se pudesse concretizar”.

ÁUDIO | Vasco Estrela, presidente da CM Mação

“Vamos passo a passo, fazendo as coisas devagarinho, com calma e cautela, e não embandeirar em arco, não criar ilusões às pessoas. Uma coisa eu sempre disse: o dinheiro dos empresários é deles. E eles investem onde têm de investir e onde têm boas condições para tal. Da parte do concelho e Câmara Municipal de Mação temos de criar condições e sermos diplomatas o suficiente para que se sintam bem a investir em Mação. É isso que temos tentado fazer e fizemos neste caso. Felizmente as coisas correram bem”, terminou.

Recorde-se que estes três projetos anunciados para o concelho de Mação receberam no ano passado a pré-licença do Infarmed, num processo que a autarquia considera que se desenrolou de forma relativamente célere tendo em conta a atual conjuntura de pandemia.

Em causa estão investimentos que poderão rondar os 25 milhões de euros, algo inédito nas últimas décadas e que poderá espoletar uma nova dinâmica da economia local, elevando o desenvolvimento socioeconómico, não só do concelho como de toda a região, a outro patamar.

Foto: mediotejo.net

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome