Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação | Incêndio consumiu fábrica mais antiga das Velas Condestável, em Cardigos

O polo mais antigo da fábrica de Velas Condestável, na Ladeira de São Bernardo, vila de Cardigos, foi praticamente todo consumido pelas chamas num incêndio que deflagrou nas instalações após a hora de almoço, cerca das 14h30. Segundo o comando dos Bombeiros Voluntários de Mação há danos materiais avultados, não tendo sido registados feridos. Para já, nada indica que a produção de velas pela empresa seja afetada por este infortúnio, mas os proprietários ainda irão fazer contas ao prejuízo. A causa do incêndio ainda está por apurar pelas autoridades competentes.

- Publicidade -

O alerta foi dado, segundo a ANEPC, no site prociv.pt, pelas 14h38, para uma ocorrência de incêndio em Indústria, oficina e armazém. A operação terminou perto das 17h00. Terá sido António Silva, o octogenário que é proprietário e mestre do fabrico de velas artesanal, que deu conta do fogo e pediu socorro.

Estiveram no local 38 operacionais apoiados por 13 viaturas, segundo o comandante dos Bombeiros de Mação, Pedro Jana, que deu conta do que viu à chegada ao local. “O incêndio tomou toda a fábrica de velas, e ardeu todo o recheio no interior. Trata-se da fábrica mais antiga, porque ainda estava ativa e em laboração”, descreveu.

- Publicidade -

Foto: Velas Condestável

Quanto à causa, o comandante disse que caberá às autoridades investigar, uma vez que nada apontou, durante a operação de combate e rescaldo, para o motivo para esta circunstância, que parece tratar-se de um incidente uma vez que não estaria ninguém nas instalações naquela altura, e que o horário de trabalho terá decorrido até à hora de almoço.

A fábrica de Velas Condestável, agora com um polo novo na zona industrial de Cardigos, apostando na industrialização do fabrico, ainda mantinha o polo mais antigo, com o antigo lagar onde se transforma a cera com a mestria de António Silva, 88 anos, e onde se procedia à fabricação artesanal. Atualmente o neto, André Flores, apoia o avô na gestão do negócio e na sua inovação.

Esta é uma das três unidades do concelho que fabricam velas que são vendidas para todo o país, sendo que a maioria da produção tem como destino Fátima.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome