Mação | Estivemos com Santinho Mendes nos bastidores de um dia de corrida (c/fotos)

O piloto abrantino Santinho Mendes assinalou em Mação 50 anos no desporto automóvel. Foto: Paulo Jorge de Sousa

Quando cheguei ouvia-se Ana Moura numa pequena coluna que estava junto a um smartphone numa das mesas corridas preparadas para a logística do fim de semana.

PUB

Porco no espeto, cerveja, vinho, pão água e muita vontade de tornar aquele dia especial.

Mas a pandemia levou a que a festa que se tinha preparado se fizesse apenas entre amigos chegados, o que a tornou ainda mais especial. Santinho Mendes ia ser homenageado pela Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, pelos seus 50 anos de participações em provas automobilísticas com os resultados conhecidos durante a hora do almoço.

PUB

Os treinos iniciaram-se às 14 horas e o Vitor Mendes (um dos seus filhos), com a sua experiente equipa tinham o carro preparado para que Santinho Mendes também se estreasse na modalidade de Rallycross com o carro do seu neto que, por estar em exames fora do país, lho tinha emprestado, para esta nova experiência.

Santinho Mendes saiu para os treinos e duas voltas depois regressa: o carro estava com problemas na caixa de velocidades.

PUB

 

A equipa de apoio começou logo a tentar resolver o problema, mas devido à complexidade da avaria, Vitor decidiu que não havia tempo e que a caixa de velocidades tinha de ser trocada imediatamente, a tempo de voltar à pista. A tarde não começava da melhor maneira, mas ninguém baixou os braços e a operação começou imediatamente.

O calor foi o pior inimigo e, cerca de 4 horas depois, entre os barulhos dos motores dos carros que iam circulando na pista ali ao lado e a vontade de voltar para a pista, Santinho Mendes voltou a colocar o capacete.

Sem treinos e sem participação em séries anteriores, conseguiu ainda ficar no meio dos concorrentes, num seguro segundo lugar, nesta série.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub
Artigo anterior“Ovo de ouro do Sol”, por Armando Fernandes
Próximo artigoSardoal | Primeiro Orçamento Participativo Municipal recebeu seis propostas
Nasceu no Sardoal em 1964, e é licenciado em Fotografia. Fez o Curso de Fotojornalismo com Luíz Carvalho do jornal “Expresso” (Observatório de Imprensa). É formador de fotografia com Certificado de Aptidão Profissional (registado no IEFP). Faz fotografia de cena desde 1987, através do GETAS - Centro Cultural, do qual também foi dirigente e fotografou praticamente todos os espetáculos. Trabalha na Câmara Municipal de Sardoal desde 1986 e é, atualmente, Técnico Superior, editor fotográfico e fotógrafo do boletim de informação e cultura da autarquia “O Sardoal” e de toda a parte fotográfica do Município. É o fotógrafo oficial do Centro Cultural Gil Vicente, em Sardoal. Em 2009, foi distinguido pela rádio Antena Livre de Abrantes com o galardão “Cultura”, pelo seu percurso fotográfico. Conta com mais de meia centena de distinções nacionais e internacionais. Já participou em dezenas de exposições individuais e coletivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here