- Publicidade -

Quinta-feira, Janeiro 27, 2022
- Publicidade -

Mação | Autarquia entrega prémios de mérito escolar e bolsas de estudo

O Auditório do Centro Cultural Elvino Pereira acolhe esta terça-feira, 29 de dezembro, a cerimónia de entrega das Bolsas de Estudo 2020/2021 e dos Prémios de Mérito 2019/2020 da Câmara Municipal de Mação.

- Publicidade -

As Bolsas de Estudo, que serão entregues às 18:30, são um projeto que a autarquia promove há 16 anos que se traduz num apoio efetivo a jovens do concelho de Mação que frequentam o Ensino Superior público. Neste ano letivo de 2020/2021 são 18 as Bolsas atribuídas, com 15 renovações e 3 novas Bolsas, a alunos do ensino superior público que contam com o apoio da sua Autarquia que procura, assim, contribuir para um maior e mais equilibrado desenvolvimento social, económico e cultural.

As Bolsas de Estudo são atribuídas por Concurso de acordo com o rendimento per capita comprovado e representam um investimento de cerca de 27 mil euros por ano letivo sendo que cada bolseiro da Câmara Municipal de Mação recebe 1.500 euros por ano.

- Publicidade -

Com os Prémios de Mérito e Prémio Gonçalo Matos, em sessão que decorrerá às 17:30, a Câmara Municipal de Mação brinda também os melhores alunos do 2.º e 3.º Ciclos e Secundário no ano letivo 2019/2020, do Agrupamento de Escolas de Mação, num reconhecimento pelo seu esforço e boa prestação escolar. Os Prémios do 2.º e 3.º Ciclos são de 250 euros e o do Ensino Secundário é de 500 euros. A atribuição destes Prémios é feita com base na informação disponibilizada pela Escola EB 2,3/S de Mação.

Já o Prémio Gonçalo Matos premeia a excelência e tem o nome do aluno do Concelho que, até à data, teve a melhor média de entrada na Universidade desde a instituição dos Prémios.

- Publicidade -

Quando a média do Gonçalo Matos (19,1 valores) for ultrapassada, o Prémio receberá o nome do aluno que a superar. O valor do Prémio Gonçalo Matos é de €500.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome