Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Outubro 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Mação | Autarca considera “pouco provável” que haja Feira Mostra e festas de verão nas aldeias

A Feira Mostra de Mação, pelo menos nos moldes em que se realizava anualmente antes do contexto de pandemia que se vive desde 2020, não se realiza este ano. Vasco Estrela, presidente da Câmara Municipal de Mação, assume que a inclinação da autarquia é para que não se realize o evento que decorre habitaulmente em julho, não descartando que, consoante medidas das autoridades de saúde e do Governo, se possam realizar outro tipo de iniciativas, adaptadas às condicionantes e consoante a situação epidemiológica.

- Publicidade -

O mesmo sucede com as festas tradicionais de verão, que costumam animar as aldeias do concelho e da região, admitindo o autarca que há muitos receios por parte das associações e que é provável que optem pelo bom senso de não organizar a sua festa anual.

ÁUDIO | Vasco Estrela, presidente da CM Mação

- Publicidade -

 

Segundo o edil, ainda nada é certo, e aguardam-se diretrizes das autoridades de saúde e do Governo, que venham esclarecer e ajudar a perceber o que pode ou não ser feito nesta matéria e quais os procedimentos, sendo certo que é uma situação que vai carecer de reavaliação dia após dia, tendo por base a evolução do contexto de pandemia de covid-19.

“Não podemos garantir realização evidentemente da Feira Mostra, e o que mais nos inclinamos é que não seja possível realizar, muito menos de acordo com o modelo habitual. A regra do bom senso a isso indica, tendo em conta a realidade que será seguramente de pandemia na altura, e nada aponta para que estejamos a viver em normalidade”, começa por indicar.

Por outro lado, Vasco Estrela lembra que a autarquia honrou os compromissos firmados para com artistas, empresas e prestadores de serviços no âmbito da organização da Feira Mostra referente ao ano 2020, e seguindo a legislação, assumiu o pagamento de 50% desses contratos.

Foto: mediotejo.net

“A CM Mação, como tantas outras, cumpriu o que estava determinado na legislação então em vigor relativamente aos compromissos assumidos com artistas e outros equipamentos e infraestruturas para a Feira, e desse ponto de vista se for possível realizar algum tipo de atividades ou de espetáculos, a CM Mação pode ser de alguma forma confrontada com o facto de os próprios artistas considerarem que há condições para se realizarem ainda que, eventualmente, com muito menos pessoas”, admite.

Ainda assim, considerando que nesta altura estão “todas as hipóteses em cima da mesa”, afirma que Feira Mostra “da forma como estávamos habituados a ver com grande número de restaurantes e pessoas, parece-me de todo impossível”.

Para Vasco Estrela os próximos tempos serão decisivos, nomeadamente a primeira quinzena de maio, para se perceber que decisões tomar. “Neste momento está tudo um pouco em cima da mesa, acho que os próximos 15 dias serão decisivos para tomarmos decisões finais relativamente a este assunto. Perceber quais as orientações das autoridades de saúde, do Governo, e perceber a sensibilidade das outras partes”, disse.

Apesar de tudo, o autarca não descarta a hipótese de se adaptar ao contexto uma iniciativa por altura da Feira Mostra. “Em qualquer caso, poderemos avaliar a possibilidade de realizar algum tipo de espetáculo naquela altura, se as condições da pandemia o permitirem, se as condições do espaço o permitirem, se as autoridades o permitirem…”.

Festas de verão são principal evento anual de muitas associações e coletividades locais. Em 2020, por força da pandemia de covid-19, propôs-se a não realização destes festejos impedindo aglomerados. Foto: CCRQ

Quanto às tradicionais festas de verão, organizadas pelas associações locais e sendo para a larga maioria o evento anual e talvez o único que organizam, Vasco Estrela refere que a situação é similar, e por isso, a hipótese da sua realização está no mesmo barco da Feira Mostra.

“Tenho percebido que as associações têm vontade de fazer essas festas, mas os receios são muito maiores e sobrepõem-se a essa vontade. E bem. Há aqui também regras de bom senso que penso que estão a ser seguidas”, admite.

Mas as coisas, a par do que sucede com os artistas e empresários integrados na estruturação e produção da Feira Mostra, podem ser mais complexas. “Poderemos cair no limite em que há condições legais para se fazerem, e depois poderá acontecer que uma ou outra associação decida fazer a festa. Tendo a Câmara alguma dificuldade, no sentido de poder dizer que não se realiza. Uma coisa é sensibilização, não dar apoio, outra coisa é criar um obstáculo, no limite que a Câmara possa atribuir licença ou não, poderá fazer veto a essa situação…”, indica.

A expectativa é que a regra do bom senso prevaleça, mas ainda deverá existir reunião com os responsáveis pelas associações no sentido de perceber qual a sua “sensibilidade” relativamente ao assunto.

“Conhecendo todos os promotores de festas no concelho, acho que não farão nada que não seja em consenso com a Câmara e as Juntas de freguesia. Acho que vamos encontrar um equilíbrio para essa realidade”, termina.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome